Como conectar as ciclovias de Moema

Como conectar as ciclovias de Moema

Observação: o post contém vários links embutidos, pode clicar que eles vão abrir em novas guias do seu navegador, assim vc não perde esse post 😉

Observação 2: para não complicar vamos chamar todas as vias de ‘rua’, independente de serem avenidas, alamedas, ruas, etc…

Moema é um bairro quase perfeito para o ciclismo: plano, ruas largas, residências e comércios bem misturados. Mesmo assim,  a região é problemática para os ciclistas. Por quê? Porque o trânsito da região é carregado e o bairro possui poucas ciclovias/ciclofaixas.

A infraestrutura cicloviária atual

Segundo o mapa da infraestrutura cicloviária de São Paulo (disponível no site da CET e também abaixo), o bairro possui a seguinte estrutura cicloviária (em vermelho):

  1. Ciclofaixa das ruas Iraí/Pavão e Rouxinol/Aratãs: duas ciclofaixas unidirecionais que formam um retângulo incompleto na parte central do bairro.
  2. Ciclofaixa das alamedas dos Jurupis/Açocê: trecho bidirecional que liga a parte superior do bairro (mais próxima do Corredor Norte-Sul, com nomes indígenas) com o trecho 3.
  3. Ciclofaixa das ruas Nhambiquaras, Professor Ascendino Reis (monodirecionais) e Dr.Haberbeck Brandão (bidirecional): trecho que liga Moema à Vila Clementino.
  4. Ciclovia das avenidas Hélio Pellegrino e República do Líbano: feitas em canteiro central, ligam o Parque do Ibirapuera às ciclovias da Av. Luis Carlos Berrini e Av. Faria Lima, as duas que ‘escapam’ do mapa abaixo do logo da CET.
  5. Ciclorrotas das ruas Inhambu/Canário (parte inferior do bairro, de nomes de aves) e ciclorrotas das ruas Anapurus/Aratãs (parte superior, nomes indígenas). Não oferecem nenhuma segurança aos ciclistas, pois a única sinalização existente são placas de “rota de bicicleta” em algumas quadras.
    1
    A infraestrutura cicloviária atual. (fonte: CET)

    Ainda perto de Moema, temos algumas outras estruturas:

  6. Ciclofaixa das ruas Aratãs e Guatás: bidirecionais passando pelo Planalto Paulista e Saúde, indo até a 7.
  7. Ciclofaixa da Av.Jabaquara: unidirecional no canteiro central, vai de São Judas até o trecho 8.
  8. Ciclofaixa da Alameda dos Boninas/R.Coronel Lisboa/R.Madre Cabrini: bidirecional, vai até a ciclofaixa da Rua Vergueiro, na altura do Terminal Vila Mariana.
  9. Ciclofaixa da Av.Bosque da Saúde: bidirecional, vai até a Av.Ricardo Jafet, onde a Prefeitura parou a instalação da ciclofaixa no começo de 2017 e até agora não se posicionou a respeito. O Bike Zona Sul e a Ciclocidade fizeram uma contagem de ciclistas para provar a necessidade de uma ciclofaixa no trecho, veja os resultados aqui.

Se todas essas estruturas estão tão próximas, por que elas não estão conectadas? Quais seriam as melhores soluções para conectá-las? Já que conheço o bairro pois pedalo por ele para ir/vir para o trabalho, fiz algumas sugestões de conexões (em verde). Aqui elas foram organizadas na ordem que julguei o melhor custo/benefício da obra, colocando como critérios as ligações que elas fariam e o impacto que elas trariam. Veja no mapa abaixo:

As conexões essenciais

1
As conexões essenciais.
  1. Av.República do Líbano: é uma rota muito utilizada por ciclistas pois é plana e reta, sendo uma continuação natural de quem vem do Parque do Ibirapuera para Moema. O tráfego de carros muito pesado e a maior parte dela possui um canteiro central largo o suficiente para uma ciclovia. Poderia seguir o padrão do trecho Hélio Pellegrino-Pq.Ibirapuera ou ser feito monodirecional junto ao canteiro central, como na Av. Jabaquara.
  2. Av.dos Aratãs/Alam.Anapurus: a Aratãs já é conhecida dos ciclistas pois possui ciclofaixas em dois trechos, então só seria necessário instalar uma ciclofaixa bidirecional entre as ciclofaixas existentes. Para conectar as monodirecionais existentes, a Anapurus poderia ganhar uma bidirecional com uma quadra.
  3. Ruas Rouxinol, Casa do Ator e Nova Cidade: com muitos carros e um cruzamento perigoso com a Av.Santo Amaro, uma ciclofaixa bidirecional seria extremamente útil para ligar Moema com as ciclovias das avenidas Hélio Pellegrino, Berrini e Faria Lima.
  4. Rua Inhambu: já é uma ciclorrota, por que não instalar uma ciclofaixa bidirecional e dar segurança aos ciclistas? Ela seria uma ligação importante dentro do bairro e também conectaria o bairro às ciclovias das avenidas Hélio Pellegrino-República do Líbano no trecho mais próximo do Parque do Ibirapuera.
  5. Av.Indianópolis: é uma rota muito utilizada pois é reta, poderia ter uma ciclofaixa junto ao canteiro central igual à da Av.Jabaquara. Ligaria Moema ao Metrô São Judas, passando pela ciclofaixa da Alameda dos Guatás.
  6. Av.José Maria Whitaker/R.Luis Góis: aproveitaria um pequeno trecho existente na Rua Guapiaçú e ligaria as ciclofaixas da Nhambiquaras-Prof.Ascendino-Haberbeck Brandão às da R.Coronel Lisboa/Alam.dos Boninas. O único problema é o trecho por baixo do viaduto da Av.Rubem Berta, que poderia ser bidirecional por baixo do viaduto, se tornando monodirecional e junto ao canteiro central na Whitaker. Na Luis Góis, uma ciclofaixa bidirecional seria o ideal.
  7. Av.Bosque da Saúde: um pequeno bônus seria completar a ciclofaixa já existente, pois falta uma quadra para ela se conectar com a da Av.Jabaquara.

Além dessas sugestões, também conversei com moradores da região e ciclistas que encontrei no caminho. Baseado nessas conversas, reuni outras sugestões que foram feitas.

Outras ciclofaixas que seriam úteis

3
Sugestões feitas por moradores e ciclistas.
  1. Av.Ibirapuera: sonho da maioria dos ciclistas, uma avenida reta e plana, mas que é muito perigosa por conta dos carros e ônibus. Não sei como poderia ser feita, talvez canteiro central como na Berrini, mas acho que ele é estreito demais. Outra opção é fazer monodirecionais do lado direito, como na Rua da Consolação.
  2. Alam.dos Nhambiquaras: muito usada por ciclistas pois vem direto do Campo Belo e é plana. Poderia ter uma ciclofaixa bidirecional do lado esquerdo, já que no direito tem a faixa de ônibus.
  3. Alam.dos Maracatins: mesmo caso da Nhambiquaras, mas vai para o Campo Belo. Se a Nhambiquaras tiver uma bidirecional, talvez não seja necessário instalar uma na Maracatins, pois também temos a da Jurupis.
  4. Av.Juriti/Moema: rota muito usada para ciclistas que querem evitar a República do Líbano-Indianópolis. O trânsito vive parado, o que cria a possibilidade de ciclistas andarem ‘no corredor’ entre os carros. Poderia ter uma ciclofaixa bidirecional em qualquer um dos lados. Ligaria a ciclofaixa da Jurupis com a ciclovia da Hélio Pellegrino.
  5. Alam.dos Arapanés: muito usada por ciclistas que se deslocam no sentido Santo Amaro e tem medo do trânsito caótico da Av.Ibirapuera. Poderia ter uma ciclofaixa bidirecional como alternativa à Ibirapuera.
  6. R.Canário: seria uma opção segura na parte ‘baixa’ de Moema, que não possui nenhuma estrutura cicloviária.
  7. Av.Imarés/João Castaldi: usada para ciclistas que querem fugir da Av.dos Bandeirantes e seu tráfego pesado. Poderia ter uma ciclofaixa bidirecional da Av.Santo Amaro até o Corredor Norte-Sul.
  8. R.Araguari/Bertram/Visc.de Cachoeira/Diogo Jácome: seria uma ligação entre as ciclofaixas da Rouxinol/Pavão com a ciclovia da Hélio Pellegrino e outras que poderiam conectar essa parte do bairro. A Rua Bertram é ‘sem saída’ para carros, mas para pedestres e ciclistas chega na Hélio Pellegrino.
  9. Av.Santo Amaro: a Prefeitura tem um plano de requalificação da avenida toda, mas o plano não inclui ciclovia (entenda aqui). Temos que pressionar a Prefeitura se queremos uma ciclovia nela… Ajude clicando aqui!
  10. Av.Lavandisca/Jamaris: seria uma importante ligação no centro do bairro, dando opção às pessoas que se deslocam entre o Planalto Paulista e a Hélio Pellegrino.
  11. Alam.dos Tupiniquins: ligaria a ciclovia da Avenida Indianópolis com as suas paralelas dentro do bairro, tornaria o caminho de quem vem por ela mais curto, pois eles poderiam acessar o bairro antes dela ‘se afastar’ dele.

No terceiro mapa é possível perceber como Moema seria um ótimo bairro para ciclistas se todas essas estruturas fossem construídas. Mesmo que não sejam implantadas agora, vale a pena deixarmos nossas sugestões para o futuro… Lembrando que vamos continuar lutando para construir uma cidade segura para as pessoas, em especial pedestres e ciclistas 🙂

Bônus: conheça a ciclovia da Avenida Aratãs neste post: A ligação entre Indianópolis e Moema está quase completa!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s