Como foi a audiência pública da ciclovia da Rua Domingos de Morais

No dia 13 de março o Bike Zona Sul participou da audiência pública sobre a ciclovia da Rua Domingos de Morais. Estavam presentes moradores, comerciantes e ciclistas dos bairros da  Vila Mariana, Vila Clementino, Saúde, Indianópolis, Ipiranga e Cursino. Também estavam presentes representantes da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT), da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), além de outras entidades como o Vá de Bike, Ciclocidade, CicloBR e o Muda Mooca, parceiros do BZS. Também vale destacar a presença de muitos ciclistas da região que não são afiliados a nenhuma entidade,  famílias com crianças pequenas que se deslocam de bicicleta diariamente e também da UNIFESP, que possui diversas instalações na Vila Clementino.

O secretário Sérgio Avelleda iniciou a audiência explicando que a Prefeitura tem utilizado o portal SP156 e o aplicativo Strava para mensurar o uso de ciclovias. Por isso, é importante que os ciclistas solicitem novas ciclovias através do SP156. Em seguida, foi apresentado o projeto da ciclovia, que será feita em 4 trechos distintos, conforme abaixo:

1

Trecho 1 (azul claro) —  Da estação Vila Mariana (onde se inicia a ciclovia da R.Vergueiro) até a R.Sena Madureira, onde há cruzamento para as ruas Monsenhor Manuel Vicente/ Maurício Francisco Klabin, em frente ao supermercado Pastorinho. Nesse trecho a ciclovia será bidirecional sobre o canteiro central, que será alargado.

Trecho 2 (laranja) — Da R.Sena Madureira até as ruas Borges Lagoa/Pedro de Toledo. Nesse trecho a ciclovia passa a ser ao lado do canteiro central, substituindo uma das faixas de rolamento atuais.

Trecho 3 (rosa) —  Partindo da Borges Lagoa/Pedro de Toledo até a Rua Luis Góis, passando pelo trecho onde estavam as obras do Metrô Lilás. Nesse trecho a ciclovia será elevada sobre o canteiro central, conforme um trecho já entregue pelo Metrô (que tem uns 30 metros).

Trecho 4 (azul escuro) — Da Rua Luis Góis até a Alameda dos Boninas, onde começa a ciclovia da Avenida Jabaquara. Esse trecho curto será elevada e junto ao canteiro central, substituindo uma das pistas atuais.

Segundo a CET, a ciclovia deve ser bidirecional na maioria dos trechos e terá pelo menos 2,5 metros de largura. Como existem árvores na maior parte do trecho, imaginamos que a ciclovia da Rua Domingos de Morais terá trechos parecidos com a da Hélio Pellegrino e Bernardino de Campos. O trecho 3 seguirá o padrão adotado na Av.Paulista.

A implantação da ciclovia não será feita e nem paga pela Prefeitura, pois se trata de uma compensação de impacto viário. Isso quer dizer que um pólo gerador de tráfego (como um shopping ou escola, por exemplo) será responsável pela obra. Isso é uma compensação pelo impacto que uma reforma ou ampliação desse pólo causará à região. No caso, o pólo em questão é a ABEC, uma associação ligada ao Colégio Marista Arquidiocesano Santa Cruz. Para o colégio é importante concluir a obra o quanto antes pois ela é uma exigência para que ele esteja regularizado. Entretanto, isso não é uma garantia de que a obra será feita. Como a obra fica sob responsabilidade do pólo gerador de tráfego, a Prefeitura não tem controle sobre as datas ou qualidade dos materiais, cabendo à ela fiscalizar a obra. Entretanto, o secretário Avelleda afirmou que a obra será iniciada “nas próximas semanas”.

Durante a audiência os moradores cobraram outras ligações cicloviárias importantes para a região, listadas conforme abaixo:

  • Ruas Lins de Vasconcelos / Dona Júlia – ligando as ciclovias da Vergueiro / Domingos de Morais / Dionísio da Costa / Madre Cabrini
  • Rua Sena Madureira – ligando a ciclovia da R.Domingos de Morais ao Parque do Ibirapuera
  • Av. Ricardo Jafet / Prof. Abraão de Morais – ligando as ciclovias do Ipiranga, Saúde e Cursino [veja mais aqui]
  • Avs. Indianópolis / República do Líbano – ligando Vila Clementino / Vila Mariana / Moema [veja mais aqui]
  • Av. José Maria Whitaker
  • Av.  Engenheiro George Corbisier [veja mais aqui]
  • Ruas Luis Góis / 11 de Junho [veja mais aqui]

Leia mais sobre essas ligações aqui: Como conectar as ciclovias pela Vila Clementino

Também foram cobradas ciclovias em outras regiões:

  • Ipiranga e Cambuci, no entorno do Museu do Ipiranga / Parque da Independência. Moradores da região cobraram a CET quanto à ciclovia da Ricardo Jafet, com obras paradas desde o início de 2017.
  • Zona Oeste – Avenida Brasil, Av.Dr. Arnaldo, Av. Heitor Penteado e ligação com Pinheiros e ciclovia da Av. Sumaré

A UNIFESP, que possui um hospital, faculdade e diversas instalações na Vila Clementino se posicionou a favor da ciclovia na Rua Domingos de Morais. Além disso, reforçou que a ciclovia da Rua Coronel Lisboa não deve ser retirada. A universidade também sugeriu uma ligação entre o Parque do Ibirapuera, as ciclovias da R.Coronel Lisboa e R.Domingos de Morais, além da Av. José Maria Whitaker passando pelo hospital e faculdade.

Durante a audiência a CET foi cobrada sobre diversos pontos, listados abaixo:

  • Fiscalização nas ciclovias existentes (com radares e fiscais)
  • Manutenção (recapeamento e ressinalização) das ciclovias da França Pinto e Coronel Lisboa
  • Instalação de placas de convivência aos motoristas, ciclistas e pedestres, em especial na R.Augusta, Paulista e Faria Lima
  • Fiscalização das obras do Asfalto Novo, pois diminuíram o tamanho de ciclovias e faixas de pedestres, assim como o uso de material de baixa qualidade
  • Bicicletários nos terminais de ônibus e Metrô/CPTM, com ênfase no Vila Mariana e Santa Cruz, mas citaram outros), Avelleda disse que nos terminais que a SPTrans vai conceder para inciativa privada vai ter bicicletário + “vamos falar com o secretário responsável pelos terminais do Metrô e CPTM”
  • Foi questionado o valor da obra (secretário não sabia), orçamento para ciclovias (~R$8 milhões), prazo de entrega (Prefeitura não respondeu), custos do Asfalto Novo (
  • Foi questionada a origem do dinheiro do programa Asfalto Novo e porque esse dinheiro não está sendo usado em calçadas, ciclovias e faixas de ônibu
  • Críticas à CET/Secretaria de Mobilidade e Transportes por nenhuma ciclovia ter sido entregue em 2017 (o secretário Avelleda disse que o orçamento de investimentos foi cancelado)

Quanto à ciclofaixa das ruas Madre Cabrini-Coronel Lisboa, é importante que ela seja mantida pois se trata de uma importante ciclovia para a Vila Clementino, sendo utilizada para acessar a UNIFESP e o Hospital São Paulo. Ao mesmo tempo, a ciclovia da R.Domingos de Morais tem a função de ligar a Zona Sul ao Centro. O secretário Sérgio Avelleda afirmou que a ciclofaixa da Coronel Lisboa não enáo será retirada e nem poderia ser removida sem antes uma audiência pública específica para abordar este tema.

A notícia parece boa, mas é importante continuarmos cobrando a Prefeitura até a ciclovia estar concluída! Vamos pressionar e tirar as ciclovias do papel! Assine e compartilhe nossas petições:

www.change.org/CicloviaNaDomingos

www.change.org/InterligarAsCiclovias

 

Veja parte da audiência aqui!

Leia mais sobre a audiência no texto do Lucian de Paula, um dos companheiros do Bike Zona Sul na audiência!

Entenda mais sobre as ligações cicloviárias do Sudeste de São Paulo aqui.

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang / Paulo Alves / Marivaldo Lopes)

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

Anúncios

Um comentário em “Como foi a audiência pública da ciclovia da Rua Domingos de Morais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s