Fotos da ciclofaixa da Av. Ricardo Jafet!

Como postamos recentemente, a ciclofaixa da Avenida Ricardo Jafet finalmente se tornou realidade! Depois de ter sua obra parada por mais de 3 anos pelo ex-prefeito João Doria (PSDB), finalmente ela saiu do papel!

As fotos abaixo foram tiradas pelo Lucas Rosin no dia 30/04:

1
Para a direita está a conexão com a ciclofaixa/ciclovia da Av. Nazaré.

 

2
A ciclofaixa ainda não foi concluída no trecho após a Rua Rodrigo Vieira, à direita.
2
Conexão com a ciclofaixa da Rua Rodrigo Vieira, que vai até a Av. Lins de Vasconcelos.

Neste trecho temos a conexão com a ciclofaixa da Rua Rodrigo Vieira, que sobe a Rua Dionísio da Costa (Chácara Klabin) e vai até a Av. Lins de Vasconcelos. Segundo o Plano 2019-2020 a Dionísio será conectada com a ciclofaixa da Rua Vergueiro este ano.

 

2
Final da ciclofaixa no cruzamento com a Rua Santa Cruz.
1
Travessia da ciclofaixa da Ricardo Jafet para a da Rua Santa Cruz, reformada recentemente.

Algumas fotos da Rua Santa Cruz, requalificada reformada há pouco tempo:

A implantação da ciclofaixa da Av. Ricardo Jafet é uma conquista enorme para os ciclistas depois da sua implantação ter sido suspensa, porém nos causa estranhamento o fato dela estar sinalizada somente entre a Av. Nazaré e a Rua Santa Cruz.

O Plano Cicloviário 2019-2020 prevê ciclofaixas nas duas avenidas que se conectam com a Ricardo Jafet: a Dom Pedro I (em frente à Nazaré e ao Parque da Independência) e a Professor Abraão de Morais (a partir da R. Santa Cruz), conforme está no mapa da CET e abaixo. Esperamos que essas duas ciclofaixas sejam implantadas em breve, pois serão uma importante conexão da região com o Centro e o Jabaquara.

1
Em azul: futuras ciclofaixas que serão conectadas com a da Ricardo Jafet. (CET)

A Ciclocidade conseguiu, com a Lei de Acesso à Informação, que a Prefeitura informasse quantos quilômetros de ciclovias/ciclofaixas pretende implantar a cada mês:

Até Junho – 12 km
Julho – 21 km
Agosto – 21 km
Setembro – 26 km
Outubro – 29,5 km
Novembro – 28,5 km
Dezembro – 35,35 km

Total: 173,35 km

Até agora a única implantação próxima de ser concluída é a da Ricardo Jafet, já que as obras na Rua Domingos de Morais pararam em 03 de março. Esperamos que a Prefeitura cobre o Colégio Marista Arquiodicesano para que a ciclovia da Domingos seja entregue em breve, assim como todas as demais previstas para 2020.

(Equipes Bike Zona Sul e Bike Zona Leste: Kristofer Willy, Leandro Bazito e Thomas Wang / Colaborou Lucas Rosin e Ciclocidade)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

A ciclofaixa da Ricardo Jafet está saindo do papel!

Agora à tarde recebemos fotos da Av. Ricardo Jafet e a ciclofaixa começou a ser sinalizada!

Aqui é possível perceber que não há acalmamento de tráfego e nenhuma sinalização para os motoristas diminuírem a velocidade ou pararem quando estiverem fazendo o retorno… No post publicado hoje de manhã comentamos que há apenas 2 placas em todos retornos, uma de “Prioridade aos ciclistas na conversão” e uma de “Travessia de ciclistas no retorno”. Por que a CET não coloca placas de “Prioridade aos ciclistas na conversão” em todos retornos?

1

Além disso, na área destacada é possível perceber que a travessia de ciclistas não faz sentido pois os ciclistas terão que fazer um ziguezague se forem seguir a pintura. Por que não pintar a travessia como na linha laranja? Isso facilitaria a vida dos ciclistas e provavelmente é mais seguro já que ele irá em linha reta ao invés de fazer uma curva estranha após a travessia.

Outro ponto que percebemos na foto é que a pintura nas travessias é mais estreita que a ciclofaixa, quando deveria ter o mesmo tamanho.

O posicionamento da travessia de ciclistas é bem estranho, veja:

1

Nossa sugestão para a CET é sinalizar todas travessias de ciclistas em linha reta e orientar os motoristas a pararem nos retornos. Afinal, se o motorista for fazer o retorno ele já deveria reduzir a velocidade a parar antes de entrar na outra faixa. Basta colocar as placas de “Prioridade para ciclistas e pedestres” (ou mesmo placa de “Pare”) e pintar um “Pare” no chão.

Abaixo temos duas fotos maiores, onde é possível perceber que a maior parte da ciclofaixa é nova. O asfalto está mais escuro, o que indica que é novo, assim como a sinalização.

1

Pelas fotos não dá para saber se a sarjeta também foi refeita, esperamos que seja nova!

1

Como falamos de manhã, a ciclofaixa possui alguns problemas, mas é um grande avanço depois de mais de 3 anos sem nenhuma implantação e somente com remoções (a própria Ricardo Jafet e a Amarilis, na Zona Oeste).

Esperamos que a Prefeitura implante todos os 173,4 kms de ciclovias e ciclofaixas prometidos para 2019 e 2020! Também estamos na torcida para que essas ciclovias tragam mais sinalização educativa, para conscientizar os motoristas que a preferência é dos ciclistas e pedestres!

(Equipes Bike Zona Sul e Bike Zona Leste: Kristofer Willy, Leandro Bazito e Thomas Wang / Colaborou Ricardo Veiga de Almeida)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Será que agora a ciclofaixa da Ricardo Jafet vai sair do papel?

A ciclovia da Avenida Ricardo Jafet é uma demanda antiga dos ciclistas e começou a ser sinalizada em janeiro de 2016, mas o ex-prefeito João Doria (PSDB) mandou parar a obra e remover o que havia sido feito. Depois de alguns dias a população refez parte da sinalização, mas o Doria apagou mais uma vez.

Agora, depois de 4 anos e 5 meses, a ciclofaixa da Avenida Ricardo Jafet está sendo sinalizada de novo pela Prefeitura! Aproveitando, analisamos o projeto dela que recebemos pela Câmara Temática de Bicicleta.

No mapa da CET de infraestruturas cicloviárias, linhas vermelhas são estruturas existentes e linhas azuis são estruturas que devem ser implantadas até o final de 2020. No mapa é possível ver que a ciclofaixa da Ricardo Jafet será ligada ao Centro na Av. Rangel Pestana e Av. Alcântara Machado, passando pela Av. do Estado.

1

Na região do Museu do Ipiranga/Praça do Monumento ela vai se conectar com a ciclofaixa da Avenida Nazaré, conforme abaixo:

1

O projeto mostra a conexão entre a futura ciclofaixa da Av. Ricardo Jafet com a estrutura existente na Av. Nazaré, porém não mostra a conexão com a Avenida Dom Pedro I, também prevista para 2020. Também não recebemos o projeto das estruturas da Av. Dom Pedro I nem da Av. do Estado… Isso levanta a dúvida, será que a Prefeitura não vai entregar a ciclovia da Dom Pedro I?

A ciclofaixa será no lado esquerdo da via, ao lado do córrego, mas o projeto não prevê nenhuma travessia de ciclistas para acessar a ciclofaixa em toda avenida:

1

Isso é bem ruim, pois significa que os ciclistas terão que se arriscar para acessar a ciclofaixa. Como sabemos, a maior parte da Av. Ricardo Jafet não possui travessias devido ao córrego, sendo as poucas localizadas perto das pontes e retornos. Fica a dúvida: como um ciclista que vem por uma rua lateral vai acessar a ciclofaixa se não estiver perto de um dos semáforos? Ele vai depender da boa vontade dos motoristas para tentar atravessar?

Outro ponto incômodo é o modelo de travessia escolhido, que obriga os ciclistas a diminuírem e esperarem os motoristas pararem. O Código de Trânsito prevê que os veículos motorizados parem para pedestres e ciclistas atravessarem, mas todos nós sabemos que a prática não é assim… Por que não forçar os motoristas a diminuírem a velocidade ao invés de fazer os ciclistas dependerem deles? Por que o projeto não inclui sinalização de “Pare” para os motoristas nos retornos de canteiro central?

1

 

Aqui as coisas ficam confusas, o projeto mostra uma ciclofaixa na Rua Rocha Galvão, mas não existe ciclofaixa ali… Será que a Prefeitura vai fazer uma ciclofaixa ali também? 1

Nesse cruzamento a ciclofaixa da Ricardo Jafet também se conectará com a da Rua Mont’Alverne, que se conecta com as estruturas da Rua dos Patriotas e da Av. Nazaré.

A continuação da ciclofaixa da Ricardo Jafet continua sem travessias para tornar o acesso à ciclofaixa mais seguro:

1

Um ponto positivo do trecho acima é a ‘faixa zebrada’ no sentido Centro, que pode melhorar a segurança dos ciclistas no trecho de curva, pena que ela é mínima e não acompanha a ciclofaixa na curva toda 😦

Abaixo temos o cruzamento com a Rua Doutor Mario Vicente, no qual os ciclistas também vão depender da boa vontade dos motoristas para seguir o trajeto caso queiram ir em frente… E também não há travessia lateral para acessar a Dr. Mario Vicente.

1
Nesse cruzamento está prevista uma placa de “Travessia de ciclistas no retorno”, mas apenas em um lado da Ricardo Jafet. Por que não vão colocar placas dessa em todos retornos sobre o córrego? Por que também não colocam placas de “Prioridade na conversão para ciclistas e pedestres” em todos retornos da avenida?

Resumindo, o projeto da ciclofaixa da Av. Ricardo Jafet é promissor, porém deixa dúvidas e um pouco de receio… Infelizmente parece que na gestão de Bruno Covas a CET voltou a priorizar os carros, fazendo o ciclista ter que diminuir/parar em diversos pontos nos quais os carros não serão obrigados a dar passagem aos ciclistas. Também ficamos em dúvida de qual o motivo para a CET não instalar placas de “Prioridade para ciclistas” em todos cruzamentos e retornos, com certeza elas ajudariam a evitar conflitos e educariam os motoristas!

Tentaremos avaliar o projeto da Avenida Professor Abraão de Morais ainda essa semana, fique ligado aqui no blog do Bike Zona Sul para não perder nada!

Entenda mais sobre as ligações cicloviárias do Sudeste de São Paulo aqui!

(Equipe Bike Zona Sul: Kristofer Willy e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta ao prefeito Bruno Covas, secretário Edsom Caram e diretora Elizabete França – 24/04/2020

Capturar

CapturarCapturar

Conseguimos os projetos do Plano Cicloviário 2019-2020!

O Bike Zona Sul e o Bike Zona Oeste tiveram acesso, por meio da Câmara Temática de Bicicleta, a alguns projetos das ciclovias previstas para 2019 e 2020! 

Essa primeira matéria é um misto de crítica, elogio e dúvida. Depois de muito tempo e muita discussão, parece que finalmente a Prefeitura está começando obras… Ainda em um ritmo lento, especialmente após quase 3 anos e meio parada.

O Bike Zona Oeste e o Bike Zona Sul noticiaram obras na Rua Henrique Schaumman (veja mais aqui!). Nós preferimos acreditar que é uma das ciclovias prometidas pela gestão Bruno Covas (PSDB), conforme foi apresentado na audiência pública do Plano Cicloviário em abril de 2018. Ainda não temos um pronunciamento oficial da Prefeitura, mas esperamos que seja a tão aguardada conexão da ciclovia da Sumaré com as ruas Honduras e Artur de Azevedo!

Tivemos acesso ao projeto da ciclofaixa da Rua Artur de Azevedo, veja abaixo!

BZS_ArturdeAzevedo_1
Na imagem acima é possível perceber que a nova ciclofaixa da Rua Artur de Azevedo vai começar no cruzamento com a Rua Henrique Schaumann, trocando de lado pois o trecho mais próximo do Hospital das Clínicas fica do lado par, enquanto o trecho mais próximo da Faria Lima fica no lado ímpar.

O que mais chama a atenção é a estrutura adotada entre as ruas Henrique Schaumann e Lisboa: uma calçada compartilhada. O trecho é um pequeno viaduto, que praticamente não possui calçada:

1
(Google Street View)
1
(Google Street View)

Como é possível ver nas fotos acima, o viaduto possui 3 faixas para veículos e duas calçadas super estreitas, onde mal cabe uma pessoa. O projeto da CET prevê que uma das calçadas será alargada, ficando com 2,7 metros e deverá ser usada por pedestres e ciclistas.

Desses 2,7 metros, o projeto detalha que serão cerca de 2m para ciclistas e cerca de 0,7m para pedestres, mas a distância pode variar:

BZS_ArturdeAzevedo_1

Isso nos preocupa pois será um espaço bem estreito para compartilhar ciclistas e pedestres compartilhem. Imaginem dois ciclistas indo em sentidos opostos ao mesmo tempo em que há pedestres ao lado… Segundo o Manual de Sinalização Urbana de Espaço Cicloviário da CET, ciclovias/ciclofaixas bidirecionais devem ter largura mínima entre 2,25-2,50 metros, o que mostra que a largura adotada é estreita para os padrões da CET.

1
Manual de Sinalização Urbana de Espaço Cicloviário (CET)

Acreditamos que após a ampliação da calçada deva ficar parecido com isso:

BZS_ArturdeAzevedo_1

Também é importante destacar que esse trecho será de calçada compartilhada, sem separação de espaço entre ciclistas e pedestres.

BZS_ArturdeAzevedo_1

No restante do trecho, entre o início do viaduto e a Rua João Moura, a ciclofaixa bidirecional terá 2 metros de largura sem considerar a sarjeta, que pode variar.

BZS_ArturdeAzevedo_1

BZS_ArturdeAzevedo_1
Na direita do cruzamento é possível ver a conexão com as ciclofaixas existentes na Rua João Moura e na própria Artur de Azevedo, no sentido Clínicas.

 

A opção escolhida no viaduto não é a ideal, mas já é um avanço importante após tanto tempo sem obras. Sabemos pela Câmara Temática de Bicicleta (CTB-CMTT-SMT) que a obra desse trecho já foi contratada, por isso esperamos que a Prefeitura entregue essa ciclofaixa o quanto antes!

Também estamos na torcida para que a Prefeitura entregue todos os 173,5 kms prometidos para 2019 e 2020. Queremos que as ciclovias e ciclofaixas sejam concluídas o quanto antes pois sabemos que as vidas das pessoas estão em jogo!

Esperamos que, no futuro, a Prefeitura e a CET transformem faixas normais em ciclovias e ciclofaixas, priorizando quem é mais frágil: pedestres e ciclistas!

 

(Equipes Bike Zona Sul e Bike Zona Oeste: Kristofer Willy, Sasha Hart e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Opinião: Será que teremos ciclovias em 2020?

Primeiramente, desculpem pelo tempo sem matérias aqui no blog do Bike Zona Sul. Somos um coletivo composto por ciclistas voluntários, então é difícil parar para escrever…

Desde que João Doria (PSDB) assumiu Prefeitura em 2016 não é implantada nenhuma infraestrutura para ciclistas. Ao assumir, Doria removeu ciclofaixas sem explicação, se mostrando indisposto a dialogar e desrespeitando ciclistas que se manifestavam contra as remoções.

Em 2018 Doria deixou a Prefeitura para ser candidato a governador e seu vice, Bruno Covas (PSDB), assumiu. Em agosto de 2019 Bruno Covas anunciou o seu plano cicloviário sem consultar ciclistas e nem a Câmara Temática de Bicicleta (CTB), mantendo a postura de Doria e se recusando a debater o assunto com a população. Na época, jornalistas e ciclistas se perguntaram como a Prefeitura tinha criado um plano cicloviário sem ouvir ciclistas? Logo após essa pergunta, a Folha descobriu que o prefeito consultava somente vereadores aliados, pedindo uma lista de ciclovias que os vereadores queriam remover.

Após críticas da imprensa e a pressão de ciclistas, no início de 2019 a CET anunciou em reunião da Câmara Temática que faria workshops sobre o novo plano cicloviário. Após os workshops, foram realizadas audiências públicas em todas subprefeituras, mostrando quais vias receberiam ciclovias/ciclofaixas em cada uma delas (veja exemplos aqui e aqui). Em todas audiências as ciclovias propostas foram aprovadas e a população cobrou mais estruturas para ciclistas e pedestres. Mas até agora, em abril de 2020, nenhuma infraestrutura foi implantada!

Até agora o discurso foi bom, mas a prática foi quase nula… Muitas pessoas se esforçaram para criar o Plano Cicloviário 2019-2020: funcionários da Prefeitura, conselheiros da Câmara Temática de Bicicleta, entidades que colaboraram com projetos, cidadãos que participaram das audiências… Todos tivemos muitas reuniões e muito esforço para os 186,5 quilômetros (173,35 novos + 12,2 de ‘remanejamentos’) prometidos pela gestão Bruno Covas saírem do papel! Será que o prefeito Bruno Covas vai tirar esses 186,5 km do papel? Será que ele vai entregar as ciclovias de primeiro mundo que ele prometeu? Porque ele criticou a infraestrutura inúmeras vezes, mas até agora não fez nada além de manutenção do que já existia…

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas #CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #BikeSP  #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio #Compartilhe

 


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta (CTB) para a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a respeito da requalificação da ciclofaixa das ruas Madre Cabrini / Coronel Lisboa / Alameda dos Boninas

São Paulo, 03 de janeiro de 2020.

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta (CTB) para a
Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a respeito da requalificação da ciclofaixa das ruas Madre Cabrini / Coronel Lisboa / Alameda dos Boninas

Segundo a reunião com a Prefeitura no dia 02/12/2019 a requalificação foi iniciada em dezembro de 2019 e deve ser concluída em janeiro. Aproveitando, a Câmara Temática de Bicicleta (CTB) solicita que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) realize melhorias descritas abaixo na ciclofaixa que percorre as ruas Madre Cabrini, Coronel Lisboa, Primeiro de Janeiro e Alameda dos Boninas. No final do documento também foi incluída a lista de endereços onde as sarjetas devem ser refeitas.

  1. Implantar a conexão entre a ciclofaixa existente na Rua Madre Cabrini e a ciclofaixa da Rua Vergueiro, conforme mapa:
1
https://goo.gl/maps/cc7yh9YiAx5x5gKY8 

 

2. Solicitamos que sejam instalados segregadores, prismas de concreto (‘super tachões’) ou algum outro elemento segregador resistente na esquina da Rua Madre Cabrini com a Rua Domingos de Morais (destacado em verde), pois muitos motoristas invadem a ciclofaixa para embarcar ou desembarcar passageiros fora da área designada.

 

1
https://goo.gl/maps/fGfJ6DTvtYTotnE56

3. Solicitamos que as sarjetas da Rua Madre Cabrini sejam refeitas em todo trecho entre a Rua Domingos de Morais e a Rua Coronel Lisboa, conforme mapa abaixo:

1.PNG
https://goo.gl/maps/NKbauWKy5AZtqxKQ6

As fotos abaixo demonstram a necessidade da reforma das sarjetas no trecho:

1

1.PNG

4. Solicitamos que o buraco existente na altura do número 308 seja reparado e recapeado novamente.

1

5. Solicitamos que seja feita alguma obra de acalmamento de tráfego na esquina da Rua Madre Cabrini com a Praça da Bíblia e no cruzamento da Rua Madre Cabrini com a Rua Coronel Lisboa, assim como também sejam instaladas placas de “Na conversão dê prioridade para pedestres e ciclistas” (exemplo abaixo). Também solicitamos que sejam instalados segregadores, prismas de concreto ou algum outro elemento segregador a partir do número 400 da Rua Madre Cabrini até a esquina com a Rua Sena Madureira (trechos críticos em verde), pois motoristas invadem a ciclofaixa nesses locais para fazer conversões ou retornos proibidos. 

1.PNG

1.PNG
http://cetspeducacao.blogspot.com/2014/12/pedestres-e-ciclistas-sao-prioridade.htmlhttps://goo.gl/maps/ub2gvL3RG3Bj2j9e6
1
https://goo.gl/maps/ub2gvL3RG3Bj2j9e6

6. Solicitamos que seja feita alguma obra de acalmamento de tráfego e que sejam instalados segregadores, prismas de concreto ou algum outro elemento segregador no trecho entre a Rua Coronel Lisboa e a a Rua Sena Madureira (em verde), em ambos lados do cruzamento.

 

1.PNG
https://goo.gl/maps/Jy1nMtMNLU6PpQkN6

 

7. Solicitamos que a sarjeta da Rua Coronel Lisboa seja refeita entre a Rua Madre Cabrini e a Rua Sena Madureira (altura do número 323). 

1.PNG

1

8. Solicitamos que o guardrail seja retirado e seja feito o rebaixamento da guia e ampliação da calçada compartilhada no canteiro central da Rua Sena Madureira, o que trará melhorias para pedestres e ciclistas.

1.PNG
https://goo.gl/maps/9UvLX1usTgzZTWKx5

 

9. Solicitamos que seja feita alguma obra de acalmamento de tráfego na esquina da Rua Coronel Lisboa com a Rua Estado de Israel, assim como também sejam instaladas placas de “Na conversão dê prioridade para pedestres e ciclistas”. Também solicitamos que sejam refeitas a sinalização de solo de “Pare” e as faixas de pedestres.

1.PNG

 

10. Solicitamos que as sarjetas da Rua Coronel Lisboa sejam refeitas no trecho entre a Rua Sena Madureira e a Rua Pedro de Toledo, conforme mapa:

1
https://goo.gl/maps/yQEoA15iC1rNbyHs9

As fotos abaixo demonstram a necessidade da reforma das sarjetas:

1.PNG

1.PNG11.PNG1.PNG

11. Solicitamos que a placa de estacionamento que está na Rua Coronel Lisboa, altura do número 548 seja substituída por uma placa de “Proibido parar e estacionar” (R-6c).

 

1.PNG
Agora vai poder estacionar na ciclofaixa?

 

 

11. Solicitamos que as sarjetas feitas recentemente entre a Rua Loefgren e Avenida Altino Arantes sejam refeitas, pois apresentam vários problemas, especialmente a grade do bueiro pode resultar no “encaixe” da roda de bicicleta e provocar quedas, conforme as fotos abaixo:

1.PNG1.PNG

12. Solicitamos que as sarjetas da Rua Primeiro de Janeiro e Alameda dos Boninas sejam refeitas no trecho entre a Rua Loefgren e Avenida Jabaquara, conforme mapa abaixo.

1
Ihttps://goo.gl/maps/SCm8cS9SbUaGChSe7

As fotos demonstram a necessidade da reforma das sarjetas no trecho:

1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG11

1.PNG
Deixei o celular no chão para tirar as fotos, olha o desnível da sarjeta para o asfalto!

1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG1.PNG

13. Solicitamos que sejam instalados segregadores, prismas de concreto (‘super tachões’) ou algum outro elemento segregador resistente nos trechos entre a Rua dos Íris e a Avenida Jabaquara (destacados em verde), assim como também sejam instaladas placas de “Na conversão dê prioridade para pedestres e ciclistas” (exemplo abaixo).  pois muitos motoristas invadem a ciclofaixa nesses trechos para realizar ultrapassagens.

1
https://goo.gl/maps/6rZS5Uhgqn1VksA79
1
http://cetspeducacao.blogspot.com/2014/12/pedestres-e-ciclistas-sao-prioridade.html

 

Cruzamento da Alameda dos Boninas com a Av. Senador Casemiro da Rocha:

1.PNG

No cruzamento da Alameda dos Boninas com a Avenida Jabaquara é necessário consertar o semáforo de ciclistas, que está apagado há anos:

1.PNG1.PNG

 

15. Também solicitamos que as sarjetas abaixo sejam refeitas:

Via Numerações aproximadas onde a sarjeta deve ser refeita
Rua Madre Cabrini 578*, 564*, 550*, 546*, 542*, 528*, 496* (*toda quadra entre a Rua Domingos de Morais e Rua Coronel Lisboa), 400, 384, 332, 326, 314, 294, 214, 200, 108, 38.
Rua Coronel Lisboa 1000, 958, 928, 900, 840, 818, 810, 804, 752, 736, 690, 578, 674, 662, 652, 646, 620, 618, 588, 548, 524, 518, 514, 512, 508, 504, 476, 472, 460, 454, 434, 432, 412, 394, 386, 327, 309, 295, 279
Rua Primeiro de Janeiro 396, 370, 306, 294, 286, 276, 258, 248, 234, 186*, 182*, 180*, 170*, 168*, 160*, 150*, 142*, 134*, 120*, 108*, 72*, 20* (*toda quadra entre as ruas 11 de Junho e Loefgren) 
Alameda dos Boninas 35, 61, 99, 111, 147, 165, 171, 181, 253, 269, 341, 411 

 

Imagens do Google Maps registradas em fevereiro/2018, fotografias registradas em 04/janeiro e 09/janeiro/2020.

 

Atenciosamente, 

Câmara Temática da Bicicleta  

do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes  

da Prefeitura Municipal de São Paulo   

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta (CTB) para a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a respeito da requalificação da ciclofaixa da Av. Bosque da Saúde

São Paulo, 17 de dezembro de 2019.

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta (CTB) para a
Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) a respeito da requalificação da ciclofaixa da Av. Bosque da Saúde

A Câmara Temática de Bicicleta (CTB) solicita que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) realize melhorias nos seguintes pontos na ciclofaixa da Avenida Bosque da Saúde, cuja requalificação foi dada como finalizada no dia 02 de dezembro de 2019.

  1. Implantar a conexão entre a ciclofaixa existente na Av. Bosque da Saúde e a ciclofaixa da Av. Jabaquara, conforme mapa e link abaixo: https://goo.gl/maps/sQjT3TK8Vw8H1Yn99 

1.PNG

2. A sinalização de solo começa/termina na altura do número 189, porém há uma placa de “Término” na altura do número 209. Solicitamos que essa placa seja retirada pois a ciclofaixa da Avenida Bosque da Saúde deve ser conectada à ciclofaixa da Avenida Jabaquara.

Também na altura do número 189 faltam tachões nas linhas brancas (marcas de canalização) e no início da ciclofaixa.

1.PNG
3. Na altura do número 245 há uma rua (entrada de vila), porém a ciclofaixa não foi pintada como área de travessia/conflito. Solicitamos que a pintura de solo seja feita em vermelho conforme Norma da CET (http://www.cetsp.com.br/media/945252/34g-revitalizacao-de-sinalizacao-para-espacos-cicloviarios-revd.pdf) que prevê que a sinalização de solo deve ser vermelha 10 metros antes, na área da travessia e 10 metros após a travessia.

1.PNG

4. Na altura do número 257 a sarjeta não foi refeita e ainda está trincada e afundada. Solicitamos que seja refeita.

1.PNG

5. Na altura do número 275 há outra rua (entrada de vila), onde a ciclofaixa não foi pintada como área de travessia/conflito. Solicitamos que a pintura de solo seja feita em vermelho conforme Norma da CET (http://www.cetsp.com.br/media/945252/34g-revitalizacao-de-sinalizacao-para-espacos-cicloviarios-revd.pdf) que prev6e que a sinalização de solo deve ser vermelha 10 metros antes, na área da travessia e 10 metros após a travessia.

1

6. Na altura do número 375 também não foi sinalizada pintura de área de travessia/conflito como era antes da requalificação. Solicitamos que a pintura de solo seja feita em vermelho conforme Norma da CET (http://www.cetsp.com.br/media/945252/34g-revitalizacao-de-sinalizacao-para-espacos-cicloviarios-revd.pdf) que prevê que a sinalização de solo deve ser vermelha 10 metros antes, na área da travessia e 10 metros após a travessia.

1.PNG

7. Na rotatória da Av. Bosque da Saúde com as ruas Bertioga e Juá, é necessário realizar melhorias de acalmamento de tráfego para garantir a segurança de pedestres e ciclistas (croqui abaixo).

7A. Instalar um semáforo com dois focos para ciclistas em frente ao número 519/543 (um sentido Praça da Árvore e outro sentido Av. Professor Abraão de Morais), com tempo específico para ciclistas; O farol atual cria conflitos entre ciclistas na ciclofaixa e carros subindo a Bosque.

1.PNG

7B. Construir 3 ilhas para pedestres;

1.PNG

7C. Transformar a rotatória em calçada para proteger pedestres (atualmente é asfalto com prismas);

7D. Implantar 7 novas travessias de pedestres;

7E. Ampliar a calçada na esquina da Rua Juá com a Av.Bosque da Saúde.

1
Croqui para a rotatória da Av. Bosque da Saúde X Rua Bertioga X Rua Juá, na região da Praça da Árvore.

8. Na altura do número 547, entre o ponto de ônibus e a garagem do prédio foram instaladas tachas, quando deveriam ser instalados tachões.

1.PNG

Na altura do número 547, em frente à garagem do prédio da foto acima, é necessário refazer as sarjetas.

1.PNG

Na altura do número 551 o asfalto novo já está trincado e afundado, sugiro que seja refeito.

1.PNG

No cruzamento da Avenida Bosque da Saúde com a Rua Guairá é necessário fazer alguma obra de acalmamento de tráfego (como ampliar as calçadas nas esquinas ou criar ilhas de espera para ciclistas e pedestres. A maioria dos motoristas para em cima da ciclofaixa e da faixa de pedestres para ver a movimentação e atravessar, o que é um risco para pedestres e ciclistas. 

1

Na altura do número 701/707 há um remendo que não está nivelado e pode causar quedas.

1.PNG

Na altura do número 757 a sarjeta não foi refeita e está desnivelada, o que pode causar quedas.

1.PNG
Olhem o motorista estacionando na ciclofaixa ao fundo…

No ponto de ônibus próximo à esquina com a Rua Itaboraí não há área para os ciclistas esperarem enquanto o ônibus está no ponto, o que é perigoso pois deixa os ciclistas expostos no cruzamento. Na antiga sinalização havia uma área para ciclistas esperarem, como é possível ver embaixo da bicicleta.

1.PNG

Uma solução é ampliar as calçadas perto do cruzamento, criando uma área segura para ciclistas esperarem e encurtando a travessia de pedestres.

1

1.PNG1

Na altura do número 919 é necessário refazer e nivelar as sarjetas.

1.PNG

Na altura do número 957 é necessário refazer e nivelar as sarjetas.

1.PNG

Na altura do 959 há uma curva perigosa pois muitos veículos invadem a ciclofaixa. Sugiro que o trecho entre o 951 até a esquina da Rua Ibirarema seja pintado inteiramente de vermelho e que sejam implantados segregadores, prismas de concreto ou algum outro segregador de tráfego.Na foto abaixo é possível perceber que tachões já foram arrancados devido às invasões.

1
Repare que um dos tachões já foi arrancado por carros ou ônibus.

1.PNG

No cruzamento da Av. Bosque da Saúde com a Rua Ibirarema é necessário instalar semáforos para ciclistas pois se o ciclista seguir os semáforos da Av. Bosque da Saúde para carros, ele vai colidir com os demais veículos. Também é necessário fazer acalmamento de tráfego pois os motoristas viram em alta velocidade, ampliar as calçadas para diminuir a distância da travessia dos pedestres pode ajudar.

1.PNG

Na altura do número 1039 as placas do ponto de ônibus estão no local errado.

1.PNG

No final da ciclofaixa, próximo à esquina da Av. Professor Abraão de Morais a ciclofaixa acaba antes da faixa de pedestres. Sugiro sinalizar a ciclofaixa até a faixa de pedestres, onde o ciclista que desce poderá desmontar e atravessar. Também seria bom retirar a placa de “Término” já que há a previsão da implantação de ciclovia na Av. Professor Abraão de Morais/RIcardo Jafet no Plano Cicloviário divulgado pela Prefeitura/CET.

1.PNG
Não foi feita nenhuma melhoria no final da ciclofaixa, apenas colocaram uma placa de “Término”.

Imagens do Google Maps registradas em fevereiro/2018, fotografias registradas em 07/dezembro/2019.

 

Atenciosamente, 

Câmara Temática da Bicicleta  

do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes  

da Prefeitura Municipal de São Paulo   

Ata da Reunião Técnica da CTB com a CET – 05/11/2019

Câmara Temática de Bicicleta
REUNIÃO TÉCNICA CET 5/11/2019

5 DE NOVEMBRO DE 2019 / 15h / Rua Barão de Itapetininga, 18

Membros CTB presentes: Sasha, Lucian, Bacalá, Leandro.

PAUTAS PRÉ-ESTABELECIDAS
● Plano Cicloviário
● BikeSP
● Informes (Saída associações e eleições)

PLANO CICLOVIÁRIO
Reunião começa às 15:03.
Sasha abre a reunião recapitulando as pautas sugeridas.
Elisabete diz que o anúncio do Plano Cicloviário depende do Prefeito e
recapitula as metas de 2019 que são
38km de novas conexões
175km de requalificações
Assegura que a prefeitura vai conseguir cumprir as metas estipuladas ainda pra
2019.
Michael faz uma apresentação e abre uma lista com as obras 100% completas.
A CTB questiona um pouco o critério, pois eles se referem às “obras” em separado
de “sinalização”. As obras apontadas como concluídas são apenas as que tiveram
fresa e recapeamento concluídos, não a sinalização.

Explicam que as obras feitas até agora se referem a 2 empresas cuja ata de
preços a CET aderiu
39km FBS/Soebe e 1,1km Fremix, totalizando 40km de ciclovias já
requalificadas com obras 100% prontas (usando o critério só de recapeamento).

Apresentam um 2o grupo de ciclovias com obras em andamento
3o grupo com as obras de início iminente.

Os membros da CTB elogiam alguns aspectos das requalificações e do trabalho da
CET, em particular a mudança do texto nas faixas vinílicas indicativas de obra,
a nova distância dos tachões de 1m.
Reclamam que há um descompasso entre a fresa e recapeamento e a nova
sinalização, principalmente da pintura da faixa de segregação. Ainda que os
tachões e a pintura completa demorem a serem executadas, a faixa de segregação é
muito importante para evitar que o espaço volte a ser invadido por carros.
A CET explica que devido ao pedido da CTB e aos riscos da rua da Consolação,
adotou um procedimento especial de fazer a pintura da sinalização da faixa de
bordo antes de terem terminado a fresa e recape, praticando as intervenções por
trechos. A CTB elogia esse procedimento e pede que algo similar seja aplicado
nas outras vias.
Pedem principalmente que as ciclofaixas de mão dupla recebam cuidado redobrado
com o cronograma das atividades, pois são particularmente perigosas para os
ciclistas na mão contrária aos carros utilizando o espaço sem a demarcação.
Bacalá fala sobre a implementação do projeto de ciclovia da
Consolação/Roosevelt, que originalmente foi implantado um projeto que não era a
versão final do traçado, que havia sido estudada uma versão superior e mais
retilínea que não envolvia passar por cima do canteiro central em pedra
portuguesa.
Sugestão de encaminhamento: conversar diretamente com o João Previs sobre o
projeto específico do final da ciclofaixa da Consolação / Praça Roosevelt
Elisabete anuncia que estão com 2 contratos para fechar (adesão de atas) na Zona
Leste.
Devem ser assinados antes do dia 20, data que as atas expiram.
A CET está finalizando os projetos dos 38km de novas conexões.
Quase 100% dos projetos das requalificações estão prontos.
A meta da CET é terminar os projetos de todos os 38km de requalificações até o
dia 20 de novembro para poder contratar os serviços por ata de preços, e

executar tudo até o final do ano. Estão preparando os contratos e até o dia 20
será apenas questão de anexar os projetos prontos e assinar a contratação.
Os km de conexões que iam ser feitos por PPPs serão feitos em 2020, mas os 38km
da meta de 2019 serão aqueles feitos por ata de preços.

Questionada pelos membros da CTB sobre o Plano Cicloviário, Elisabete afirmou
que não está prevista nenhuma retirada. Há algumas propostas de remanejamento,
mas estão todas sob análise, nenhuma definida.
Questionamos se esses 38km da meta para 2019 serão executados mesmo sem o
anúncio/publicação do Plano Cicloviário, e Elisabete garantiu que sim, da mesma
forma que as requalificações, as novas conexões vão avançando mesmo sem o plano
publicado.

PROGRAMA BIKE SP
Questionamos o BikeSP que estava em pauta. A Bete reportou que não tiveram
nenhum avanço nessa pauta, e que ficou atrasado mesmo. Estavam com o texto da
minuta original de regulamentação ainda, sem alterações. Disse que iam falar com
o Caram para ver se outra pessoa dentro do SMT pode assumir essa discussão.
Depois falaram que os novos contratos de ônibus remuneram as empresas pela
prestação de serviços, não por catracada, o que significa que a forma como
estava previsto o subsídio não funcionaria mais (?). E que teriam que pensar em
toda uma nova maneira de fazer essa remuneração. Vão retomar as conversas com o
vereador Police Neto.
CTB entrega recente abaixo-assinado com quase 1500 assinaturas pedindo que a
regulamentação seja feita logo.

INFORMES, SAÍDA ASSOCIAÇÕES E ELEIÇÕES
Elisabete informa que as entidades já haviam enviado uma carta questionando a
legitimidade da CTB e anunciando a sua saída. A carta foi mostrada para a CTB,
que desconhecia o seu conteúdo. CET/SMT enviaram para seu departamento jurídico
analisar como fica a CTB com a saída das associações. A primeira vista, em se

tratando de um conselho consultivo, e não deliberativo, enxergam que os
trabalhos podem continuar sendo feitos.
Pela prefeitura o assunto vai sendo tocado e os trabalhos continuando.
Foi feita uma conversa e foi sugerido que a CTB, com os membros que optaram por
continuar as atividades, poderiam encaminhar uma carta para a CET com seu
entendimento jurídico de como devem proceder, quem deve poder continuar atuando,
e o que propõe para dar continuidade. Foi explicado que a CTB não recebeu esta
carta e qual foi o procedimento de eleições internas adotado ao longo dos dois
últimos anos para todos que foram indicados, que nunca houve número de
participantes maior do que vagas disponíveis, etc. Quem pode dar uma resposta
final deve ser o presidente do CMTT (ao qual a CTB é vinculada) após se
consultar com o departamento jurídico da STM.
Encaminhamento: a CTB ficou de enviar as atas com as eleições internas dos
membros, bem como o documento de consolidação das regras internas. CTB vai
avaliar se dá uma resposta às cartas das associações. Procurará nos registros
das atas anteriores todos os registros de votações de aprovação dos membros. A
Prefeitura ficou de compartilhar a avaliação do departamento jurídico da STM e
eventual resposta do presidente do CMTT.

Sugestões de Pautas da CET para a última reunião do ano: Elisabete fala de
convidar os pesquisadores do IME para falar sobre o uso de dados da pesquisa
Origem e Destino para políticas para bicicleta e apresentar junto o trabalho do
Lucian/Juliana do Metrô sobre as distâncias percorridas pelas viagens de
automóveis
Elisabete fala de trazer os funcionários da SPTrans para falar sobre o conflito
de bicicletas embarcando nos ônibus
Encaminhamento: a CTB concordou e vai encaminhar uma lista de terminais urbanos
prioritários para a instalação de bicicletários públicos.

REUNIÃO ENCERRADA 16:50

Ofício da Câmara Temática de Bicicleta ao prefeito Bruno Covas – 16/10/2019

A Câmara Temática de Bicicleta (CTB), conselho técnico consultivo, integrante do
Conselho Municipal de Trânsito e Transportes e ligado à Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, vem, por este ofício, solicitar urgência ao prefeito Bruno Covas para:

  1. Apresentar e executar o Plano Cicloviário baseado nas prioridades já amplamente discutidas com a CTB e a sociedade;
  2. Regulamentar a Lei Bike SP;
  3. Vetar o trecho do Substitutivo ao Projeto de Lei 513/2019 que altera o inciso II do artigo 340 do Plano Diretor Estratégico que desvirtua o uso do Fundurb para a mobilidade sustentável.

A falta destas ações atrasa o Plano de Mobilidade(1) da cidade, provoca insegurança quanto ao processo participativo e causa prejuízos para as pessoas. Destacamos ainda que, infelizmente, as mortes de ciclistas triplicaram no primeiro semestre de 2019(2). A situação provavelmente seria bem diferente se não tivesse acontecido a interrupção de implantação de ciclovias/ciclofaixas, que ocorre desde o final de 2016, e mortes poderiam ter sido evitadas. Atualmente a malha cicloviária, que notoriamente protege vidas de todos os modais(3), ainda representa menos de 3% do total de vias da Cidade de São Paulo.

A CTB tem como o objetivo geral: “Construir uma política cicloviária para a cidade de São Paulo a partir do diálogo entre representações de ciclistas e o poder público municipal(4). Fica ainda a dúvida se o diálogo será ignorado na prática.

As conselheiras e conselheiros voluntários da CTB participaram de cerca de 34 reuniões com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) desde a última eleição municipal, sendo 14 após o primeiro anúncio de um novo Plano Cicloviário realizado no dia 03/08/2018. Após tal anúncio, a Câmara Temática de Bicicleta, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e a Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito (BIGRS) organizaram de forma conjunta a realização de 11 oficinas com a sociedade civil sobre os dados e todos os estudos da CET que pudessem ajudar a fundamentar o Plano Cicloviário. Em cada um dos workshops compareceram moradores, comerciantes, ciclistas, associações e outras entidades, que debateram os detalhes do Plano Cicloviário para cada uma das 32 subprefeituras da cidade de São Paulo. Durante esse processo foram sugeridas várias vias para implantação de novas estruturas e a conexão das existentes, sobretudo na periferia, mas nunca foi mencionada nenhuma remoção. Inclusive, todos os estudos apresentados pela própria CET enfatizavam a necessidade da implantação de novas estruturas visando preservar vidas(5).

Após esse processo, que durou cerca de 10 meses entre Agosto de 2018 e Maio de 2019, a CET organizou 10 audiências públicas para apresentar o Plano Cicloviário em todas regiões da cidade, que ocorreram entre os meses de maio e junho de 2019(6). Durante estas 10 audiências (bem como nas outras 6 audiências públicas sobre infraestruturas cicloviárias, organizadas pela CET em 2017 e 2018), quase sempre a totalidade das pessoas se manifestaram a favor da implantação de novas estruturas cicloviárias e, em nenhuma delas, foram mencionadas remoções ou retiradas.

Em nenhuma destas reuniões, oficinas ou audiências o prefeito Bruno Covas compareceu, mas o seu pedido para que as informações fossem amplamente e calmamente discutidas foi atendido. A sociedade participou e cobrou a expansão da malha cicloviária. Ela também pediu melhorias das ciclovias/ciclofaixas existentes, obras de acalmamento de tráfego, a intensificação da fiscalização e novas políticas cicloviárias
positivas.

A regulamentação da Lei Bike SP (que estava no Plano de Metas original desta Gestão) geraria um importante incentivo para a mobilidade sustentável e reequilíbrio das contas. A lei foi aprovada em 21 de setembro de 2016, já tendo esperado 3 anos sem regulamentação. A principal explicação da Prefeitura para não regulamentar o programa vinha sendo imbróglio jurídico que acompanhava o sistema de ônibus da capital, que vinha operando por contratos emergenciais. Acontece que essa questão já foi resolvida, a nova licitação foi bem sucedida e os contratos já foram assinados(7). Não resta mais empecilho, o programa BikeSP já pode ser regulamentado e os munícipes poderiam ser beneficiados ainda este ano(8).

Por fim a Câmara Temática de Bicicleta solicita que o prefeito VETE o trecho do Substitutivo ao Projeto de Lei 513/2019 que altera o inciso II do artigo 340 do Plano Diretor Estratégico desvirtua o uso do Fundurb e vai na contramão da mobilidade sustentável. A alteração, que foi incluída por substitutivo horas antes da aprovação do PL, é uma alteração extremamente significativa a um dos principais instrumentos do Plano Diretor Estratégico e não passou por nenhuma audiência pública ou debate com a sociedade(9). A mudança no texto desvirtua a parcela do Fundurb voltada para avanços na mobilidade ao permitir que estes recursos sejam usados para obras que favorecem essencialmente os carros. Essa mudança também contraria a Política Nacional de Mobilidade Urbana(10), que estabeleceu em suas diretrizes a prioridade da mobilidade ativa sobre a motorizada, e dos serviços de transporte público coletivo sobre o transporte individual motorizado, diretrizes estas reproduzidas e reforçadas a nível municipal com o Plano de Mobilidade de São Paulo. A descaracterização da reserva de um fundo para mobilidade, ao permitir que seja utilizada em benefício do transporte individual motorizado e em ações de zeladoria, vai diretamente contrária às duas leis citadas, sendo necessário, portanto, que o prefeito vete a alteração posta na lei 513/2019.

Sendo assim, solicitamos ao prefeito Bruno Covas que atenda urgentemente as três solicitações mencionadas acima, que certamente contribuirá para uma Cidade melhor para todas as pessoas.

Atenciosamente,

Câmara Temática da Bicicleta
do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes
da Prefeitura Municipal de São Paulo

REFERÊNCIAS:

  1. https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/planmobsp_v072__1455546429.pdf
  2. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/04/24/triplica-o-numero-de-mortes-de-ciclistas-no-1o-trimestre-de-2019-em-sao-paulo-diz-infosiga.ghtml
  3. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/06/03/acidentes-de-transito-caem-38percent-por-ano-onde-foram-implantadas-ciclovias-na-zona-oeste-de-sp.ghtml
  4. http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/regimento_interno_ciclistas_4_1435946756.pdf
  5. http://vadebike.org/2015/10/queda-mortes-ciclistas-transito-estatistica-cet-sao-paulo/
  6. https://participe.gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/plano-cicloviario
  7. http://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-assina-contratos-da-licitacao-do-transporte-publico-por-onibus
  8. https://bikezonasul.org/2019/09/30/bike-sp-e-o-cartao-ciclista-o-que-e-quando-vai-chegar-em-sao-paulo/
  9. https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2019/10/vereadores-alteram-regra-que-garantia-verba-para-pedestres-ciclistas-e-onibus-em-sp.shtml?fbclid=IwAR3sJWe3yHOANkK66M150h18ZXu3kGZFGjnJoFUyH
    eklXjxRNxm8SVmOPZc
  10. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm

Leia mais sobre a Câmara Temática de Bicicleta e suas ações aqui!

[Texto elaborado e aprovado pelos membros da Câmara Temática de Bicicleta do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes da Prefeitura Municipal de São Paulo]

(Equipe Bike Zona Sul: Kristoffer Willy, Lucian de Paula, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas #Mobilidade #Bicicleta #Transporte #BikeFazBemAoComércio   #Compartilhe


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul