Karina Flores

Conheçam a Karina, que conta pra gente um pouco de sua história com a bike e os desafios, que infelizmente atingem as mulheres que pedalam.

Karina Flores Bike Zona Sul

 

“Olá, me chamo Karina Flores e resido no Jd. Satélite, bairro da Zona Sul de São Paulo, que fica próximo ao Autódromo de Interlagos onde quando criança aprendi a andar de bicicleta.

Me lembro de quando ainda não existiam os muros, campos improvisados de futebol e a galera do bairro tomava banho em um lago que tem lá dentro. Tempo em que as ruas ainda eram de terra. Eu devia ter por volta de cinco a seis anos de idade… Fui crescendo e descobrindo o bairro com a minha bicicleta.

Sempre gostei muito de pedalar, eu adorava aquela sensação de liberdade, mas comecei a sentir medo pelo aumento da quantidade de carros, por conta dos assaltos, casos de estupro e o fato de ser mulher me fazia sentir vulnerável a tudo isso e o machismo sentido na pele ao andar sozinha.

Com a popularização das ciclovias e ciclofaixas, comecei a olhar novamente com interesse para as bicicletas. Percebi que muitos amigos e amigas estavam voltando a pedalar por lazer, ou mesmo como meio de transporte para o trabalho.

Até então eu só pedalava em parques fechados, pois me inspiravam mais confiança e em bicicletas alugadas. Já não tinha mais bicicleta nem a pretensão de comprar uma, havia perdido a coragem para pedalar em vias públicas.

Então ganhei de uma tia querida uma bicicleta bem simples e antiga. Ela me despertou novamente as pedaladas junto com um amigo ciclista e um grupo chamado Bike Zona Sul, com uma galera super bacana, cheia de garra e energia para os novos pedais que eu voltaria a fazer pelos bairros que sempre andei.

Karina Flores Talita Merino Bike Zona Sul
Karina Flores e Talita Merino no Pedal Noturno Bike Zona Sul

Pedalar em grupo me trouxe novamente coragem pra andar em meio aos carros e a segurança que eu precisava, aquela sensação gostosa de liberdade, novos amigos, resistência física e saúde mental.

Hoje pedalo pela Ciclovia Rio Pinheiros e a partir dela ao acessos as ciclofaixas que me levam até o Parque do Povo, Parque Vila Lobos e Parque Ibirapuera. Tenho pedalado também pelos bairros próximos nos pedais noturnos do Bike Zona Sul. Foi essa a nova/velha forma que encontrei de lazer e também como busca de sair do sedentarismo.

Tudo isso como parte de um plano: conseguir ter mais qualidade de vida em meio ao caos dessa cidade grande que é São Paulo. Onde vou mantendo uma relação de amor e ódio… Mas o amor tem aumentado.

Sou grata ao grupo BZS por ter melhorado essa minha relação com a cidade e comigo mesma.

Valeu galera!! Muitos abraços!”

Anúncios