Mais postagens

Audiência sobre Orçamento para Mobilidade será dia nesta sexta, 09/11!

Nesta sexta, 09/11, será realizada a audiência pública sobre orçamento do município para mobilidade urbana! O evento começa às 11h e deve terminar às 15h, sendo realizado na Câmara Municipal de São Paulo, 8º andar (Salão Nobre João Brasil Vita).

A audiência sobre orçamento é organizada pela Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal de São Paulo para o projeto de lei nº 536/2016, que estabelece a Proposta da Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2019.

É importante a presença de cidadãos e entidades ligadas ao tema, pois assim poderemos debater com profundidade e pressionar os vereadores para que destinem a verba para as áreas que atendam mais pessoas, como o transporte coletivo (ônibus, implantação de faixas e corredores exclusivos), pedestres (com melhoria de calçadas, implantações de travessias e faróis específicos) e ciclistas (com a implantação do PlanMob e do plano cicloviário).

Além disso, outras audiências similares abordarão diversos temas, veja a programação completa no evento.

Em paralelo, fiquem ligados nas audiências públicas sobre o Programa de Segurança Viária, estamos divulgando no nosso Facebook, aqui no blog e no grupo de Whats App!

Compareça e vamos cobrar nossos representantes!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Anúncios

Audiência pública em Cidade Ademar!

Hoje tem audiência pública sobre segurança viária na Subprefeitura de Cidade Ademar!

Precisamos comparecer para pressionar a Prefeitura a priorizar ciclistas e pedestres! Isso vale para obras que virão, campanhas de conscientização, reprogramação de semáforos, manutenção de calçadas e sinalização viária. Também queremos que a fiscalização aumente!

Vai ser às 19h no auditória da Subprefeitura, que fica na Av. Yervant Kissajikian, 416, Vila Constância.

Compareça!

Veja detalhes sobre o relatório de segurança viária clicando aqui!

Se você não é da Cidade Ademar, veja as datas das outras audiências aqui!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang / Parceria com a Ciclocidade e Cidade A Pé)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Dicas para pedalar na chuva

Quem pedala sabe, a chuva pode atrapalhar bastante nossos deslocamentos. Pensando nisso, resolvi listar algumas dicas para quem quer pedalar na chuva. Alguns são cuidados essenciais enquanto outros são truques simples que aprendi, mas todos podem ser úteis para quem não quer ficar preso no trânsito por causa da chuva!

 

1. Perca o medo e enfrente a chuva!

Parece algo simples, mas é a primeira coisa a se fazer. Desde pequenos somos acostumados a evitar a chuva, quem nunca ouviu a mãe dizer “você vai ficar doente se tomar chuva”? Vale o bom senso: se a chuva não for forte, como um temporal com relâmpagos e alamentos, por que deixar a bike em casa?

2. Repense seu trajeto

Seu trajeto possui ladeiras? Passa por alguma área onde há alagamentos? Passa perto de um córrego ou rio? Todos esses fatores podem se tornar problemas em caso de chuva, então preste atenção em dias secos para não dar de cara com uma enchente num dia  de chuva!

3. Cuidado com o chão!6

Quando começa a chover a água ‘limpa’ as ruas, soltando restos de óleo/gasolina (foto ao lado) que ficaram na pista, arrastando embalagens jogadas no chão, terra/pedras e outros detritos, cuidado! Todos esses itens podem deixar o piso mais escorregadio, então diminua a velocidade ao se deparar com eles. Outra dica importante: cuidado ao passar por poças, elas podem esconder buracos/remendos, que podem causar uma queda!

4. Tenha uma roupa impermeável5

Pode ser uma jaqueta refletiva/corta vento para ciclismo, um casaco esportivo ou até uma capa de chuva descartável, mas sempre leve com você! Caso a chuva seja fraca, ela evita que você se molhe e evita que suas roupas fiquem sujas/molhadas. Dessa forma, você não precisa se trocar por causa de uma garoa. Além disso, pedalar usando roupas molhadas por muito tempo é ruim pois o calor do seu corpo e a temperatura da água (além do vento) podem te deixar resfriado!

5. Ensaque seus pertences

Esse é um truque simples que facilita muito. Eu coloco minha agenda e cadernos em sacos de supermercado, isso evita que eles se molhem e eu perca minhas anotações. Basta colocar as coisas dentro e prender a abertura com um nó ou um elástico. Também existem alforjes e mochilas à prova d’água para ciclistas, mas geralmente eles são mais caros e só compensam quando são usados com alguma frequência. (Leia mais sobre alforjes aqui!)

6. Pense nos seus pés 

Dependendo do calçado, ele pode acabar destruído após uma pedalada na chuva, por isso vale a pena levar um calçado extra (como um tênis para pedalar e outro para usar no trabalho/universidade). Outra opção é pedalar de chinelo/sandália/Papete/Crocs/etc, mas preste atenção na sola do calçado: escolha um tipo de sola bom boa aderência para que seu pé não escorregue do pedal ou quando você se apoiar ao parar. Uma solução mais ‘caseira’ é ensacar os pés com sacolas de supermercado, igual comentei acima rs.

7. Leve roupas a mais

Não controlamos a chuva, então sempre vale a pena lembrar uma muda de roupa extra na mochila. É algo que pode ser chato devido ao peso e volume, mas com certeza é melhor que chegar sujo/molhado no trabalho ou aula! Para quem possui armários ou gavetas no escritório/faculdade, vale a pena deixar um conjunto de roupa guardado a mais.

8. Se troque ao chegar no seu destino!

Pode parecer besteira, mas é importante se trocar! Não pelo aspecto social (de se arrumar ou estar ‘apresentável’), mas pela sua saúde. Continuar usando roupas molhadas pode te deixar doente, em especial se na sua faculdade/escritório o ar condicionado for forte.

9. Os Paralamas do Sucesso

Invista em paralamas para sua bike, eles são baratos! Com eles, água e sujeira que os pneus jogarem para cima não vão ‘cair’ e você, nas suas roupas e nos seus pertences. Às vezes é meio difícil de achar os paralamas, mas caso a sua bicicletaria não tenha, procure em grandes lojas como o Decathlon. É possível até fazer paralamas de garrafa pet (veja como aqui!).

10. Seja visto e fique atento!

Como já dissemos antes, é importante que o ciclista seja visto! Especialmente em dias de chuva, abuse de roupas chamativas (a jaqueta impermeável acima é um bom exemplo), ligue as luzes da sua bike e seja visto!

Além disso, fique ainda mais atento! Quando chove, motoristas tendem a ser mais cuidadosos, mas muitos se tornam mais agressivos devido ao trânsito e ao estresse, então tome ainda mais cuidado! Seja visto, ocupe a faixa e bom pedal!

 

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Auditoria da infraestrutura cicloviária em tabulação! #CicloAuditoriaSP

Auditoria Cidadã da infraestrutura cicloviária de São Paulo está em fase de tabulação! Isso quer dizer que a maioria das estruturas já foi avaliada e que a Ciclocidade, o Bike Zona Sul e demais parceiros estão analisando os dados recolhidos! É importante destacar que todos dados foram colhidos em campo, por um grupo de mais de 30 avaliadores, organizados conforme as regiões da cidade.

Agora os dados serão contabilizados, verificados e interpretados. Para isso, a Ciclocidade se organizou e está contando com a colaboração dos aplicadores, coordenadores, associados e ciclistas das regiões!

4
Uma das estruturadas avaliadas, no Jabaquara. (Foto: Lucian de Paula)

A Auditoria trará dois relatórios: um quantitativo (no qual foram analisados dados tangíveis, como a quantidade de placas de sinalização presentes na estrutura) e um qualitativo (onde teremos as percepções dos envolvidos nas avaliações).

Curta a página da Ciclocidade para não perder nada!

Leia mais sobre a Auditoria Cidadã neste post! #CicloAuditoriaSP

(Equipe Bike Zona Sul: Paulo Alves e Thomas Wang / Parceria: Ciclocidade, AMEciclo e Aro27 Bike Café )

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

Como conectar as ciclofaixas da Vila Mariana, Sacomã, Ipiranga e Vila Prudente

Observações:
1. O post tem links, mas pode clicar que eles vão abrir em novas guias, assim você não perde o post 
😉
2. Para simplificar, vamos utilizar “rua” para todas as vias, independente de serem avenidas, alamedas, ruas, etc…

Neste post vamos falar das estruturas das existentes (vermelho), das que consideramos básicas e mais urgentes (verde) e também de outras necessárias (azul escuro). Veja mais abaixo!

A INFRAESTRUTURA CICLOVIÁRIA ATUAL

1

 

Segundo o mapa da infraestrutura cicloviária de São Paulo (disponível no site da CET), essas são as estruturas de proteção de ciclistas que existem na região (em vermelho):

  1. Ciclofaixas das ruas Vergueiro e França Pinto;
  2. Ciclofaixa da rua Madre Cabrini / Primeiro de Janeiro / Coronel Lisboa / Boninas;
  3. Ciclofaixas da Avenida Jabaquara e Alameda dos Guatás;
  4. Ciclofaixa da Avenida Bosque da Saúde;
  5. Ciclofaixa das ruas Dionísio da Costa / Rodrigo Vieira;
  6. Ciclofaixa da Rua Santa Cruz: bidirecional junto à calçada, sendo metade da sua extensão no lado par e metade no lado ímpar da rua;
  7. Sistema de ciclofaixas do Ipiranga: ruas Mont’Alverne, Patriotas, Avenida Nazaré (metade da extensão bidirecional e metade unidirecional junto ao canteiro central) e Rua Dona Leopoldina;
  8. Sistema de ciclofaixas do Sacomã/Moinho Velho: Rua Abagiba, Av. Martinho Guedes, ruas Ribeirão Bonito, Elba, Regino Aragão, Salvador Pires de Lima, Abaúna, do Lago, Anatole France e Sava;
  9. Ciclofaixa da Rua do Grito (bidirecional junto à calçada) e ciclovia da Rua Aída (no canteiro central/parque linear);
  10. Ciclofaixa da Rua Guamiranga (bidirecional junto à calçada), ciclovia/ciclofaixa da Av. Dr. Francisco Mesquita (a maior parte é unidirecional junto ao canteiro central/córrego);
  11. Sistema de ciclofaixas da Vila Prudente: Av. Prof. Luiz Ignácio de Anhaia Mello e Rua Prof. Gustavo Pires de Andrade.

Existem estruturas próximas nos quatro bairros, mas nem todas estão conectadas. Com a ajuda de alguns ciclistas da região mapeamos rotas frequentes, nas quais é essencial que seja implantada alguma estrutura cicloviária.

AS CONEXÕES BÁSICAS

2

  1. Rua Dr.Neto de Araújo: pode ser bidirecional junto à calçada, colocando as vagas de estacionamento mais ao centro da rua, que já é larga;
  2. Rua Domingos de Morais: antiga reivindicação dos moradores da região, leia mais sobre ela clicando aqui;
  3. Conexão das ciclofaixas das avenidas Jabaquara e Bosque da Saúde, na qual falta somente uma quadra, veja nosso vídeo;
  4. Conexão da ciclofaixa da Rodrigo Vieira com a da Ricardo Jafet (5 e 6);
  5. Ciclofaixa da Ricardo Jafet, que foi iniciada, mas interrompida pelo ex-prefeito João Doria e foi repintada pela população (leia mais aqui);
  6. Ciclofaixa da Ricardo Jafet, que foi iniciada, mas interrompida pelo ex-prefeito João Doria e foi repintada pela população (leia mais aqui);
  7. Conexão das ciclofaixas da Rua Santa Cruz e Dona Leopoldina;
  8. Conexão entre as ciclofaixas da Nazaré, do Grito e do Lago: próximas, mas desconectadas por trechos curtos;
  9. Melhoria na travessia da ciclofaixa da Rua do Grito para a ciclovia da Rua Aída: atualmente não há travessia sinalizada de uma estrutura para a outra, o que obriga ciclistas a se arriscarem;
  10. Conexão entre a ciclovia da Rua Aída e a Av. Dr. Francisco Mesquita: poderia utilizar a passarela da CPTM/Metrô com a instalação de orientação de direção para ciclistas;
  11. Sistema de ciclofaixas Ipiranga-Vila Prudente: conectaria ciclofaixas próximas por avenidas largas, o que ofereceria uma rota segura para os ciclistas que se deslocam entre a Vila Prudente e o Centro.

OUTRAS RUAS NECESSÁRIAS

Além dessas conexões básicas, existem outras ruas nas quais os ciclistas identificaram que a instalação de ciclovias/ciclofaixas pode ser útil, veja abaixo!

3.JPG

  1. Av. Lins de Vasconcelos: ligação direta das ruas Madre Cabrini, Domingos de Morais e Dionísio da Costa;
  2. Rua Sena Madureira: trecho curto conectando a Madre Cabrini e a Domingos de Morais;
  3. Rua Santa Cruz: conectando a atual ciclofaixa da Rua Santa Cruz (na região do Ipiranga) com a ciclofaixa da Coronel Lisboa/Primeiro de Janeiro e a futura ciclovia da Domingos de Morais;
  4. Rua Luís Góis: outra reivindicação antiga, ligaria as ciclofaixas de Moema à Vila Clementino, Saúde e outras regiões;
  5. Ruas da Imprensa, Moreira e Costa e Dom Lucas Obes: ligaria o sistema já existente do Ipiranga à ciclofaixa da Rua do Grito;
  6. Av. Dr. Gentil de Moura: completaria a ligação entre a Rua Santa Cruz, Dona Leopoldina, do Grito e do Lago;
  7. Av. Presidente Tancredo Neves: não possui nenhuma estrutura e poderia conectar o sistema Sacomã/Moinho Velho ao Ipiranga e, de lá, ao Centro e Vila Prudente.
  8. Rua Lino Coutinho: faria a ligação entre o sistema do Ipiranga até a ciclofaixa da Rua do Grito;
  9. Viaduto/Rua Capitão Pacheco e Chaves: conexão direta entre a Vila Prudente e o Ipiranga, muito utilizada por ciclistas atualmente;
  10. Rua Igaratá: serviria para simplificar a vida dos ciclistas que se deslocam entre a Vila Prudente e o Ipiranga, facilitando também o acesso à estação Tamanduateí.

Sabemos que a atual gestão da Prefeitura não tem feito nada pelos ciclistas, apenas tentado atrair a atenção da imprensa através de coletivas mal organizadas e não alinhadas com os representantes dos ciclistas… Mas mesmo assim vamos continuar defendendo uma cidade que seja pensada para as pessoas: pedestres, ciclistas e usuários do transporte coletivo!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul

Yellow limita área de atuação e muda regras do serviço

Recentemente postamos na nossa página de Facebook sobre mudanças no sistema da Yellow. Muitos clientes questionaram as novas regras do sistema, que limitam as regiões atendidas, horários para uso do sistema e cobra uma taxa de R$ 30 para estacionar em praticamente toda cidade

2
Nova área de atuação da Yellow (Yellow)

No mapa acima é possível perceber que a nova área de atendimento é bem restrita, dado que antes o sistema operava em toda cidade. A nova área de atendimento é limitada ao eixo Faria Lima-Berrini, com trechos entre Vila Leopoldina, Butantã, Pinheiros até Santo Amaro.  Após a mudança, a maior parte da Zona Sul e da cidade de São Paulo deixou de ser atendida.

Essa mudança é preocupante, pois deixa muitos usuários sem acesso ao sistema, sobretudo na periferia. Quando a Yellow iniciou suas atividades, uma das grandes vantagens percebida pelos usuários foi a ausência estações, o que permitia que as bicicletas fossem utilizadas em qualquer região da cidade.

Além disso, recentemente surgiram queixas quanto aos horários. Alguns usuários tentaram utilizar o sistema após às 18h e tiveram problemas pois o aplicativo não permitia o desbloqueio da bicicleta. Eu mesmo passei por isso no Paraíso onde tentei desbloquear uma bicicleta e não consegui. Recebemos relatos que os  horários variam de bairro para bairro,

Entramos em contato com a empresa, que forneceu a resposta abaixo:

3
Resposta da Yellow para o Bike Zona Sul no Facebook.

Se desde o início da operação a Yellow sabia que “não seria possível atender a demanda de toda a cidade de São Paulo de uma vez“, por que liberaram o uso do sistema por toda cidade? Não seria melhor ter iniciado de forma pontual e ampliar a área de atendimento conforme a quantidade de bicicletas e funcionários aumentasse?

Nós, do Bike Zona Sul, estamos torcendo para o sistema voltar ao formato antigo. Também estamos abertos para conversar com a empresa e até mesmo auxiliá-la na sua adaptação e futura expansão. Afinal, sem as limitações de região ou horários, o sistema se tornará cada vez mais popular. Com isso teremos mais ciclistas nas ruas, o que vai aliviar a lotação do transporte coletivo e vai tirar cada vez mais carros para as ruas.

Leia mais sobre sistemas de bicicletas compartilhadas, clique aqui!

(Equipe Bike Zona Sul: Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Candidatos são convidados a assinar Carta de Compromisso com a Mobilidade Ativa

O Bike Zona Sul está apoiando a Rede Paulista de Entidades e Associações de Mobilidade Urbana na Campanha Mobilidade nas Eleições de São Paulo. Esse grupo reúne entidades ligadas à mobilidade urbana como a Ciclocidade, Sampa a Pé, União de Ciclistas Brasileiros, COMMU, dentre outros parceiros do Bike Zona Sul.

 

A Carta de Compromisso com a Mobilidade Ativa foi escrita de forma conjunta entre as entidades e busca priorizar o tema com os candidatos, tanto aos que concorrem no Poder Executivo (governador e presidente) quanto no Legislativo (deputados estaduais e federais).

A Carta está disponível no site da campanha (clique aqui!), onde também é possível solicitar que os seus candidatos assinem a Carta!

Caso você, como cidadão, queira apoiar a Cartam clique aqui!

Faltam cerca de 10 dias para as eleições, vamos cobrar nossos candidatos, precisamos de compromisso com a mobilidade urbana! A prioridade deve ser de pedestres, ciclistas e usuários do transporte coletivo!

Somente pressionando nossos representantes vamos conseguir mudar nosso país!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

O que é a Câmara Temática de Bicicleta (CTB)

A Câmara Temática de Bicicleta (CTB) faz parte do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (CMTT), ligado à Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes (SMT) da Prefeitura Municipal de São Paulo. A CTB tem como objetivo “Construir uma política cicloviária para a cidade de São Paulo a partir do diálogo entre representações de ciclistas e o poder público municipal” (https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/chamadas/regimento_interno_ciclistas_4_1435946756.pdf) . A equipe do BZS já representou a Zona Sul em três oportunidades, com Paulo Alves, Carla Moraes e, atualmente, Thomas Wang.

Além disso, a Câmara possui o papel de ajudar a definir a política cicloviária para a cidade, conforme consta no regimento:

  • Mediar a relação entre grupos locais de ciclistas com a gestão
  • Contribuir na mediação da relação entre o poder público e a sociedade civil
  • Realizar, pelo menos, um encontro no mínimo bimestral com a presença do Secretário Municipal de Transportes e um encontro no mínimo trimestral do Prefeito de SP
  • Pautar os encontros tanto com o Prefeito quanto com o Secretário

Os membros da CTB representam todas as regiões da cidade, além de entidades relacionadas ao tema. A Câmara Temática de Bicicleta é formada por 22 voluntários da sociedade civil, com paridade de gênero. Desses nomes, dois são titular e suplente da cadeira de ciclistas dentro do CMTT, enquanto 10 são representantes das cinco zonas de São Paulo, sendo 2 pessoas por região, e 10 são indicados pela Ciclocidade e CicloBr. A composição atual da Câmara Temática, bem como o seu regimento e outros dados, podem ser vista no site da Prefeitura e neste link. Os representantes da Câmara Temática de Bicicleta deveriam ter reuniões mensais com  técnicos da SMT e CET, além de, bimestralmente, com o Secretário de Mobilidade e Transportes e, trimestralmente, com o Prefeito de São Paulo.

Infelizmente a Prefeitura não tem dialogado até de forma efetiva com a CTB nem atendido suas sugestões, conforme mencionado na Carta Aberta da CTB à Prefeitura e à Sociedade Civil (leia a Carta aqui!). As ausências do secretário João Otaviano e do prefeito Bruno Covas (PSDB) em todas as reuniões internas mostram que ambos não tem valorizado o diálogo direto , algo prometido por eles após críticas às antigas gestões da Prefeitura. Vale lembrar que Bruno Covas prometeu apagar ciclovias “que só incomodam a população. Da mesma forma, Covas e Otaviano criaram uma proposta de plano cicloviário’ sem consulta à CTB e aos ciclistas, assim como impediram a entrada de ciclistas na apresentação do plano.

Apesar dessa inconsistência nos discursos e ações de Covas e Otaviano, os representantes regionais e das entidades continuam trabalhando na CTB, pois acreditam no diálogo e que avanços ainda são possíveis! As reuniões são mensais e abertas, fique ligado no Bike Zona Sul para ficar sabendo das próximas datas!

(Equipe Bike Zona Sul: Carla Moraes / Paulo Alves / Thomas Wang. Parceria: Sasha Hart)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas

#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas

 

Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Ciclocidade promove Auditoria Cidadã da infraestrutura cicloviária

A Ciclocidade (Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo) está organizando a Auditoria Cidadã da infraestrutura cicloviária de São Paulo. Após uma chamada através das redes sociais, foram selecionados 6 coordenadores regionais, divididos entre as zonas Norte, Oeste, Leste 1 (‘norte da Leste’), Leste 2 (‘sul da Leste’), Sul 1 (Pinheiros até Parelheiros) e Sul 2 (Barra Funda e Centro até Jabaquara).

O Bike Zona Sul está coordenando as frentes Sul 1 e Sul 2, com Paulo Alves e Thomas Wang. O Sul 1 abrange a maior parte da Zona Sul, começando em Pinheiros e indo até Parelheiros e Capão Redondo. Isso inclui o importante eixo da Faria Lima-Berrini-Chucri Zaidan, um dos mais utilizados por ciclistas. Já a Sul 2 abrange a Barra Funda, o Centro e vai até o Jabaquara, na divisa com o Santo André, São Bernardo, São Caetano e Diadema (o famoso ‘ABCD Paulista’). O Sul 2 conta com importantes ciclovias como a da Rua da Consolação e a Avenida Paulista.

Na primeira reunião, realizada no dia 30 de agosto, a Ciclocidade e os coordenadores regionais se reuniram para discutir sobre o Índice de Desenvolvimento Cicloviário (IDECiclo). Esse índice foi criado pela Ameciclo, a Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife. Ele tem como objetivo avaliar a qualidade da infraestrutura cicloviária das cidades, sendo originalmente aplicado em Recife. Nesse encontro, a Ciclocidade apresentou o índice e os critérios técnicos foram debatidos pelos coordenadores regionais. Após a discussão, nos separamos em grupos e fizemos duas aplicações piloto da versão adaptada do índice.

Já no dia 01 de setembro tivemos o curso de formação para os aplicadores do índice, no MobiLab. Nesse dia a Ciclocidade, coordenadores e aplicadores de todas regiões de São Paulo. Todos envolvidos puderam se conhecer, compartilhar experiências do dia a dia e, mais uma vez, conversar sobre o IDECiclo. Os coordenadores e aplicadores puderam trocar experiências sobre suas regiões, assim como realizar ajustes nos times e nas áreas de aplicação.

Agora estamos na fase das avaliações, nas quais os aplicadores estão nas ruas avaliando as estruturas cicloviárias de São Paulo! Em breve teremos as avaliações para construir um material e ter uma visão de quais são as condições da malha cicloviária da nossa cidade! Fique ligado nas páginas da Ciclocidade e do Bike Zona Sul para novidades!

#CicloAuditoriaSP #MinhaCicloviaSP

( Equipe Bike Zona Sul: Paulo Alves e Thomas Wang / Parceria: Ciclocidade, AMEciclo e Aro27 Bike Café )

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul

Bicicletada? Massa Crítica? O que é isso?

Quando comecei a pedalar alguns amigos comentavam sobre a Bicicletada, um mítico encontro de ciclistas que acontecia toda última sexta do mês. Também comentavam sobre a Massa Crítica, um pedal focado em pedir segurança para ciclistas.

Com o tempo descobri que a Bicicletada e a Massa Crítica eram, na verdade, o mesmo evento. Uma reunião com ciclistas de diferentes idades, estilos e regiões. Ciclistas de toda cidade de São Paulo e até de cidades próximas.

Historicamente, a Massa Crítica surgiu em 1992 em São Francisco, nos Estados Unidos. Cansados do perigo que corriam todos os dias, um grupo de ciclistas se reuniu para pedir respeito aos motoristas e ao poder público. Com o tempo, a ideia desse encontro ‘pegou’ e ele se tornou mensal.

Aos poucos, a iniciativa se espalhou entre diversas cidades, como Londres (Reino Unido), Lisboa (Portugal), Paris (França), Berlim (Alemanha), Los Angeles e Washington (Estados Unidos), dentre outros. No Brasil ela acontece em várias cidades: Curitiba (PR) , Vitória (ES), Rio de Janeiro (RJ), Niterói (RJ)Americana (SP), Ribeirão Preto (SP)São Paulo (SP)Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), entre outras… Se quiser saber mais, procure “Bicicletada” no Facebook que você vai encontrar várias!

1
Bicicletada de Junho/2012: os ciclistas ocuparam o Shopping JK Iguatemi para que ele construísse a passarela entre o Parque do Povo e a Ciclovia Rio Pinheiros. (Foto: Thomas Wang)

A Bicicletada/Massa Crítica não tem líderes nem roteiro programado. Geralmente o grupo se encontra e começa a pedalar, tomando direção de algum local simbólico como a Prefeitura, um local onde um ciclista tenha sido atropelado ou algum local onde os ciclistas querem que seja implantada uma ciclovia/ciclofaixa.

O evento acontece toda última sexta-feira do mês, à partir das 18h. Em São Paulo nos encontramos na Praça do Ciclista, que fica na Avenida Paulista. A concentração começa às 18h e geralmente o pedal começa às 20h.

O próximo será nesta sexta, dia 31 de agosto. A ideia é defender as ciclovias existentes e as que a Prefeitura está removendo, conforme divulgado em eventos no Facebook e na arte divulgada pelo Vá de Bike. A ideia é pressionar a Prefeitura, que não tem dialogado com ciclistas e tem removido ciclofaixas sem consultar os cidadãos.

0
Imagem do Vá de Bike.

Compareça, vamos defender as nossas ciclovias e lutar por melhorias! Quem pedala sabe o risco que é pedalar sem ciclovia e ciclofaixa, precisamos de mais infraestrutura!

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

#BikeZonaSul  #VaiTerCiclovia #CicloviasSalvamVidas
#CidadesParaPessoas #SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:
YouTube: www.youtube.com/bikezonasul
Instagram: www.instagram.com/bikezonasul
Twitter: www.twitter.com/bikezonasul
Strava: www.strava.com/athletes/bikezonasul