Como as ciclovias tem afetado o comércio?

Como as ciclovias tem afetado o comércio?

 

Bike Zona Sul
Tati, que instalou um paraciclo na frente do Clemente Café, com Carla Moraes. (Foto: Carla Moraes/BZS)

Quando uma ciclovia é implantada é comum ouvir reclamações como “vai tirar vagas dos carros”, “vai atrapalhar o transito”, “São Paulo não é lugar pra andar de bicicleta”… Neste post, vamos falar de uma dessas críticas, mais especificamente, sobre o comércio.

Como já foi comprovado por pesquisas (veja aqui, aqui, aqui e aqui) o número de ciclistas aumenta muito além da malha cicloviária, mas como isso tem afetado o comércio? Será que a crítica “ciclovia atrapalha o comércio” é real ou é só um preconceito?

Com a palavra, os comerciantes!

Ana, 24, dona de lanchonete (no Paraíso, na frente da ciclovia da R.Dr.Rafael de Barros): “No começo achei um absurdo a prefeitura vir pintar uma ciclofaixa na frente da minha lanchonete sem avisar ninguém, ainda mais porque eu estacionava aqui na frente. Quando pintaram passava pouca gente de bicicleta, agora passa bastante. Além disso, agora tem alguns grupos de pedal que comem aqui, então melhorou o movimento à noite.

Bianca, 34, gerente de loja de roupas (na região da Praça da Árvore, perto da ciclovia da Av.Jabaquara): Achei que ia ser ruim porque ia piorar o transito, mas parece que o movimento aumentou, talvez tenha melhorado porque mais pessoas conseguem ver a loja. Tem gente que deixa a bicicleta no poste na frente da loja e entra pra ver as mercadorias.

Carlos, 52, funcionário de estacionamento:Menino, vou te falar uma coisa, essa ciclofaixa é uma benção! O estacionamento sempre teve movimento, mas agora vive cheio porque tem menos vagas de Zona Azul e algumas lojas fizeram convenio com a gente.

Daniela, 22, caixa de supermercado (em Mirandópolis, perto da ciclovia da Rua Coronel Lisboa/Primeiro de Janeiro): “Trabalho aqui fazem uns dois anos, depois que fizeram a ciclofaixa começou a ter mais gente vindo de bicicleta pro supermercado, então acho que o dono deve estar ganhando mais… Pra mim não faz tanta diferença, mas ficou mais fácil pros meninos que fazem as entregas, eles gostam.

Diego, 24, garçom do Sukiya da Rua Vergueiro (na frente da Ciclovia da Rua Vergueiro/Avenida Liberdade): Todo final de semana aparecem vários ciclistas aqui, principalmente na hora do almoço, em especial no domingo. Durante a semana também aparecem alguns clientes de bicicleta, mas acho que menos do que no domingo, porque tem Ciclofaixa de passeio [lazer].”

4
Bicicletas amarradas na grade do Sukiya da Rua Vergueiro. (Foto: Thomas Wang/Bike Zona Sul)

Marcos, 56, atendente do Starbucks (Avenida Paulista, na frente da ciclovia da Avenida Paulista): Desde que trabalho aqui tinha cliente que vinha de bicicleta, depois que inauguraram a ciclovia tem ainda mais. Eles falam que podem parar a bicicleta na entrada da loja, trancar em poste, entrar, comprar o café e sair. É bem mais fácil do que o pessoal que vem de carro, que tem que ficar procurando vaga, pagar estacionamento… E aqui estacionamento é uma fortuna!

Rogério, 46, dono de bar/lanchonete (na frente da ciclovia da R.Artur de Azevedo): “Antes eu só vendia para os pedestres e pessoal que trabalha aqui perto, achei que ia ser ruim porque não ia ter mais vagas na frente do bar, mas agora é bem melhor, dá pra ver o movimento da rua e o pessoal que anda de bicicleta pára aqui para comprar água, suco, café, Gatorade… Até melhorou o movimento do bar já que tem um pessoal que pedala a noite e para aqui pra comer.”

Tatiana, 29, dona do Clemente Café (na frente da ciclovia da Rua Coronel Lisboa/Primeiro de Janeiro): Aqui na rua passa um número considerável de bikes, às vezes até na calçada. A ciclovia possibilita que as pessoas que nem moram tão perto e usam a bike como meio de transporte (mais do que lazer, pelo menos na semana) tenham contato com café especial.

1
Na falta de paraciclo, fica no poste. Se os comerciantes instalassem paraciclos iam faturar bem mais com clientes que pedalam… (Foto: Thomas Wang/BZS)

Para entender mais sobre a relação entre ciclovias e o comércio, veja nestes links:
Bicicleta faz bem ao Comércio – Ciclocidade

Com ciclovias, faturamento do comércio aumenta

Ruas abertas com pedestres e ciclistas aumentam faturamento de lojistas

(Equipe Bike Zona Sul: Carla Moraes e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

Anúncios

Alforje é vida

Amamos alforjes! ❤

Essencial para uso urbano, é uma bolsa para bicicletas, um acessório muito prático para levar objetos do dia a dia sem precisar amarrar vários elásticos no bagageiro e sem a necessidade de levar peso nas costas, deixando o corpo livre para sentir mais ainda o vento e a liberdade da bicicleta.

Alforje Bike Zona Sul
Alforjes nos bagageiros facilita tudo

Existem alforjes para todos os tipos, tamanhos e gostos, atendendo desde quem usa a bicicleta como meio de transporte ou até para quem deseja viajar de bike mundo afora.

E aí, já pensou em utilizar um para facilitar o seu dia a dia? Alforje é vida. 😉

#bikezonasul #compartilhe

4 estabelecimentos legais para você e sua bike

Com o crescente avanço de ciclovias aqui em São Paulo, o crescimento do número de ciclistas também aumenta cada dia. Muitos estabelecimentos começaram a se adequar para receber ciclistas, mas é sempre legal encontrar estabelecimentos específicos para ciclistas. Selecionamos quatro dos lugares que as portas estão mais que abertas para o ciclista e sua bicicleta, quase destinos obrigatórios. Olha só:

KOF

kof1

O King Of the Fork, ou apenas KOF (sigla que se refere ao KOM, prêmio dado ao ciclista que tem melhor desempenho numa subida, por isso King Of the Mountain), é um espaço que uni ciclismo e gastronomia. Lá eles servem várias comidinhas feitas com muito amor (dá pra perceber desde a recepção), e espaço também tem alguns acessórios para bicicleta, e para o ciclista. E claro, nada mais justo ter um paraciclo na porta para você estacionar sua magrelinha com segurança.

Aro 27

aro1

Aro 27 (nome que se refere à uma estrutura na bike) tem um espaço encantador, é todo decorado, que pra quem ama bicicleta certamente fica boquiaberto. No espaço eles proporcionam serviço como “Park ‘n Shower” onde você pode estacionar sua bike com segurança e tomar um banho numa boa, uma oficina completa para sua bike e uma lojinha com vários equipamentos e acessórios importantes para você que usa bicicleta na rua. Além desses serviços, contam com um cardápio delicioso.

Las Magrelas

 las magrelas1

Lasma (que se refere às magrelas, às bicicletas) é bastante conhecido pelos ciclistas, com um ambiente próprio e até mesmo artístico, eles oferecem diversos serviços pra quem usa ou pra quem quer começar a usar a bicicleta na cidade. Oferecem serviço, e espaço para o serviço na hora que você mais precisa, para não ficar sem sua bicicleta. Além de ser uma bicicletaria, uma oficina, uma loja, e um bar, o ambiente também é ponto de encontro nos vários eventos que acontecem envolvendo bicicleta e mobilidade urbana.

Ciclo Urbano

ciclo2

A Ciclo Urbano é um espaço muito agradável para reunir os amigos, principalmente num sábado. Para quem usa a bicicleta na rua, lá você pode encontrar diversos componentes para adaptar ao seu modelo de bicicleta. Também são servidas algumas comidinhas e bebidas, ideal para quando bate aquela fome. É tudo muito bonito, misturando bicicletaria e decoração vintage.

Resumindo eles são, sem dúvida, os melhores amigos da sua bicicleta (depois de você, claro). Além de oferecerem conforto, oferecem serviços realmente importantes para sua bicicleta. Lembrando que esse post não é um publieditorial, é apenas uma seleção feita a partir daquilo que já foi experimentado e/ou ouvido de alguém. A matéria foi reformulada a partir dessa original. As fotos foram retiradas dos seus próprios meios (face/insta). Vale a pena conferir!