Novidades em Moema e ligação com a Vila Clementino!

Novidades em Moema e ligação com a Vila Clementino!

2

Uma das travessias da ciclovia da Alameda dos Jurupis. (Foto: Paulo Alves/BZS)

Moema é um bairro que possui alguma infraestrutura cicloviária, mesmo que deficiente em muitos pontos. As ‘ciclofaixas permanentes’, criadas em 2011, pelo prefeito Gilberto Kassab geraram muita discussão, mas foram mantidas, criando um pequeno oásis de segurança para os ciclistas da região (veja o trecho das ciclofaixas de Moema clicando aqui).

Agora o bairro ganhou mais uma ciclovia, na Alameda dos Jurupis. Ela é bidirecional e vai da Av. dos Imarés até a Av. Açocê (veja as fotos acima e abaixo). O asfalto dela é liso, quase perfeito, exceto por alguns bueiros da SABESP e outras concessionárias e está bem sinalizada, tanto no solo (com pintura) como verticalmente (placas de ciclovia e proibido parar e estacionar).

1
Trecho da nova ciclovia na Alameda dos Jurupis, que é toda bidirecional. (Foto: Paulo Alves/BZS)

A ciclovia da Alameda dos Anapurus faz uma curva na Av.Açocê, onde se liga com dois trechos unidirecionais (clique aqui para ver no mapa), na Alam. dos Maracatins/R.Prof.Ascendino Reis e Alam. dos Nhambiquaras. Esses trechos vão da até a Rua Doutor Habberbeck Brandão, onde ela vira bidirecional novamente (veja no mapa).

0
Trecho unidirecional na Av.Prof. Ascendino Reis, sentido Moema. (Foto: Paulo Alves/BZS)

Como é possível perceber na foto acima, o trecho unidirecional na Av.Prof.Ascendino Reis possui marcas de canalização (faixas zebradas) para garantir a segurança do ciclista na curva. Já nos trechos unidirecionais da Av. Açocê, Alam.dos Maracatins e Alam.dos Nhambiquaras não possuem marcas de canalização, sendo parecidos com as ciclofaixas implantadas em 2011. A grande vantagem é que elas são mais largas, o que dá ainda mais segurança aos ciclistas.

Esse trecho composto pela Prof.Ascendino/Nhambiquaras, Açocê, Maracatins e Habberbeck Brandão são uma rota já conhecida pelos ciclistas que se deslocam entre Moema e a Vila Clementino. Esperamos que em breve eles sejam conectados com a ciclovia da Rua Coronel Lisboa, na Vila Clementino, o que criará uma ligação entre a rede cicloviária de São Paulo e a infraestrutura existente em Moema. Existem várias rotas para que essa ligação seja feita, aqui deixamos algumas que membros do Bike Zona Sul usam: pela Rua Doutor Altino Arantes e pela ruas Guapiaçú/Luis Góis (todo o trecho da ladeira da Guapiaçú tem ciclovia 🙂 ).

Entenda mais sobre as ciclovias de Moema em outro post nosso, basta clicar aqui.

Para entender mais sobre o que estamos falando: veja o mapa da infraestrutura cicloviária da cidade de São Paulo clicando aqui.

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

Anúncios

A ligação entre Indianópolis e Moema está quase completa!

Após muito diálogo com a CET, finalmente está saindo a ligação entre Saúde, Indianópolis e Moema! A foto abaixo foi tirada na Avenida Aratãs, ao lado do Hospital da Cruz Vermelha de São Paulo!

24
Ciclovia da Av.Aratãs (foto: Thomas Wang/Bike Zona Sul)

Essa ciclovia fica na Avenida Aratãs, ela vai da Avenida Moreira Guimarães (continuação da Av.23 de Maio/Av.Washington Luís) até a ciclovia da Alameda dos Guatás, que por sua vez vai até a ciclovia da Avenida Jabaquara. Para entender essa descrição, clique aqui. Tanto as ciclovias da Alameda dos Guatás quanto a da Avenida Aratãs são bidirecionais, o que facilita o deslocamento dos ciclistas em ambos sentidos, fornecendo segurança em alguns trechos com ladeiras da região da Saúde e Indianópolis.

Na região da Saúde e Indianópolis não há nenhuma ciclovia, exceto a da Avenida Jabaquara, que acaba em frente à Igreja de São Judas Tadeu, por isso as ciclovias da Alameda dos Guatás e da Avenida Aratãs são extremamente importantes!

A ciclovia da Avenida Aratãs ainda está incompleta, faltam algumas adaptações nos cruzamentos (nesses trechos a ciclovia e as travessias ainda não foram sinalizadas) e na sinalização (como a instalação de placas educativas para os motoristas), mas ela já está quase pronta!

Nós do Bike Zona Sul esperamos que completem a ligação entre essa ciclovia na Avenida Aratãs com as de Moema logo, afinal são só 4 quadras entre elas! Para entender essa ligação, clique aqui.

Você já viu como está o mapa da infraestrutura cicloviária de São Paulo? Clique aqui para ver! Focando na região de Moema, é possível ver várias ligações que são intuitivas, como essa (que falamos acima) na Aratãs, entre Moema e Indianópolis. Além dessa, também temos outras como essa (entre a Rua Dr.Habberbeck Brandão e a Rua Guapiaçu, que podem levar o ciclista até a Vila Clementino) e essa (entre a a Alameda dos Nhambiquaras e a Av.Hélio Pellegrino, que pode levar o ciclista até o Parque do Ibirapuera).

Num próximo post vamos falar das ciclovias/ciclofaixas de Moema, que receberam novos trechos recentemente! Vamos falar de trechos da Alameda dos Jurupis, Açocê, Nhambiquaras, Prof.Ascendino Reis e Habberbeck Bradão! Mais para frente também vamos falar das possibilidades de outras ciclovias em Moema, como na Anapurus e Canário.

Em breve esperamos também tratar das ligações das ciclovias de Moema para o Itaim Bibi Brooklin (que possui somente uma ciclovia na Faria Lima/Berrini) e para o Campo Belo, que não possui nenhuma estrutura cicloviária, mas é caminho para muitas pessoas que vem da Zona Sul para o Centro!

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)

 

Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

#AnáliseBZS sobre a matéria da Folha de SP

 

#AnáliseBZS sobre a matéria da

Folha de S.Paulo

Recortamos alguns trechos da matéria relacionados à mobilidade e comentamos de acordo com o nosso posicionamento. Para entender melhor nossos comentários, colocamos links com mais informações, podem clicar que eles vão abrir em outras abas do seu navegador.

CICLOVIAS
Quando começou: 2009
Como é: hoje existem 415 km; cerca de 65 deles foram feitos por gestões anteriores à de Haddad
O que fica: boa parte delas deve ser mantida
O que muda: sua manutenção será cedida à iniciativa privada em troca de publicidade; os trechos subutilizados serão removidos

Bike Zona Sul: Nenhuma ciclovia deve ser removida, elas são criadas para oferecer uma opção segura aos que já pedalam e aos que querem pedalar, mas tem medo do transito. A ampliação da malha cicloviária mostrou que existem milhares de pessoas que desejam usar a bicicleta como meio de transporte, que após a criação elas começam a ser usadas. Se chama ‘demanda reprimida’ (entenda nesse vídeo). A construção de ciclovias aumentou o número de ciclistas, pois muitas pessoas só pedalam quando se sentem seguras. Entenda aqui e aqui.

CORREDORES DE ÔNIBUS
Como é: a cidade tem mais de 500 km de pistas exclusivas
O que fica: elas não serão retiradas, mas sim reestudadas –caso da av. Giovanni Gronchi
O que muda: será implantado sistema de BRT e cobradores serão promovidos a motoristas –programa se chamará Rapidão

BZS: Todos os corredores e faixas de ônibus devem ficar como são ou ter seu horário ampliado, a prioridade deve ser do transporte público-coletivo, não dos veículos particulares. Como manda a Plano de Mobilidade Urbana. Mais informações sobre o Plano de Mobilidade Urbana aqui.

 

REDUÇÃO DA VELOCIDADE NAS MARGINAIS
Quando começou: jul.2015
Como é: nas pistas locais, limite é de 50 km/h; nas centrais, de 60km/h; e nas expressas, de 70 km/h
O que fica: nas outras vias, como a av. Rebouças (50 km/h), velocidade não será alterada
O que muda: limite será de 60 km/h nas locais, 70 km/h nas centrais e 90 km/h nas expressas, “na semana seguinte à posse”

BZS: As Marginais devem continuar com os limites de velocidade atuais, para preservar vidas e proteger as pessoas, tanto motoristas, quanto passageiros e motociclistas. A velocidade máxima de 50km/h é uma recomendação da ONU, de acordo com o programa Visão Zero, que busca tornar as cidades mais seguras para todos.

 

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

BZS nas eleições 2016: Haddad no SPTV (22/09)

BZS nas eleições 2016: Haddad no SPTV (22/09)

O atual prefeito e candidato à reeleição Fernando Haddad (PT) participou do SPTV e nós do Bike Zona Sul destacamos alguns trechos relacionados à mobilidade urbana para comentar neste post.

César Tralli: “Tem uma reclamação por toda cidade de que faltaram critérios e estudos técnicos na implantação, o senhor não deveria ter ouvido mais a população?”

Fernando Haddad: “O Ministério Público entrou com uma ação judicial contra a Prefeitura para suspender o plano cicloviário alegando falta de planejamento. O Ministério Público perdeu essa ação. Ou seja, o próprio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo reconheceu que a CET fez o planejamento. Se tem problemas no seu bairro, a CET tem feito reparos, tem feito ajustes. Fez na Praça Vilaboim, fez na Bento Guelf, fez em diferentes locais da cidade e continua aberta a isso. O que nós não podemos abrir mão é que o número de ciclistas na cidade de São Paulo dobrou e o número de mortes de ciclistas caiu 34%. Ciclovias são para salvar vidas. Ciclovias, as pessoas tem que entender, nós temos que salvar vidas. Esta carnificina que é o transito de São Paulo tem que acabar. Os meus adversários querem fazer o contrário do que recomendam as principais agencias internacionais de segurança no transito, não abra mão da vida.”

Tralli: “Ciclovia é pra ciclista, óbvio, a questão é a seguinte, a gente mostra com muita frequência no SPTV ciclovia cheia de buraco, mal sinalizada, mal pintada, que tem poste no meio, criticada até pelos cicloativistas, falta de segurança, por falta de utilidade real (O Tralli nunca ouviu falar de demanda reprimida? Leia mais clicando aqui). Quero saber do senhor, se reeleito o senhor vai rever trajetos de ciclovia.”

Haddad: “Isso é da rotina da cidade de São Paulo, rever posições, por causa do investimento que é feito em ciclovia, é um investimento muito barato, uma vida salva, quanto custa? Foram 34% de redução de mortes de ciclistas. A Rede Globo anunciava, é um quinto do preço que custou a ciclovia do Governo do Estado e você sabe disso, foi anunciado inclusive na Rede Globo. O que eu quero dizer pra vocês é: não vamos abrir mão e um programa de segurança no transito. Se há ajustes há serem feitos, que se façam. Mas não podemos abrir mão da vida. Há mais de 300 vidas salvas.”

Bike Zona Sul: Se o César Tralli realmente se importasse com a segurança dos ciclistas ele saberia que a pior ciclovia é melhor do que nenhuma. Como em qualquer via, existem problemas como buracos  (que tem origem por causa de obras da SABESP e outras concessionárias), plantas (vegetação), iluminação e sinalização. Porém nenhum desses problemas coloca o ciclista em risco como a imprudência dos condutores de outros veículos (carros, motos, ônibus e caminhões). Quando não há ciclovia, a chance de um ciclista morrer é infinitamente maior do que em qualquer ciclovia, por pior que seja. 

 

Veja o vídeo completo: Haddad no SPTV (22/09).

 

(Equipe Bike Zona Sul: Alex Gomes, Alexandre Liodoro, Carla Moraes, Diego Brea, Ianca Loureiro, Marivaldo Lopes, Paulo Alves e Thomas Wang)

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

BZS nas eleições 2016: João Dória (PSDB)

No começo do ano o EL PAÍS Brasil entrevistou o (então) pré-candidato João Dória do PSDB. Baseado nessa entrevista, o Bike Zona Sul fez uma análise da entrevista!

Na nossa análise, alguns trechos foram selecionados e comentados, leia abaixo! Ah, nosso post tem vários links embutidos, pode clicar que eles vão abrir em uma nova aba para vc não perder essa página!

El País Brasil: “Uma das bandeira dele foram as ciclovias. Como você avalia essa política pública de mobilidade?”
João Dória: “É uma política acertada, eu vou defender a manutenção das ciclovias.”
Bike Zona Sul: Ele disse que vai “defender a manutenção”, ou seja, vai cuidar das existentes, mas não necessariamente expandi-las como precisamos!

JD: “O que eu tenho como crítica é que houve uma implantação acelerada, houve um açodamento nessa implantação com o objetivo de alcançar metas de quilometragem de ciclovias, e nisso vários equívocos acabaram sendo cometidos. Primeiro teve um efeito no custo, o mau planejamento sempre estabelece custos mais elevados.”
BZS: Segundo a lei municipal (http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/emenda ), todo candidato tem que estabelecer metas ao ser eleito, para que a população tenha parâmetros para avaliar a gestão. Por isso a meta existe, o fato de ela ter um prazo obrigou o pode público e a sociedade a se mobilizarem pela causa, o que resultou nas novas ciclovias. Além disso, os erros iniciais ou pontuais são corrigidos assim que são notados. Um programa que planeja ciclovias numa cidade de mais de 12 milhões de habitantes possui falhas, como qualquer um dessa magnitude, mas isso não desqualifica o programa. Quanto aos valores, o candidato precisa se informar melhor, nós sugerimos que leia esta matéria do Vá de Bike.

JD: “Depois, ciclovia e ciclofaixas colocadas em áreas onde não há ciclistas ou áreas de risco para ciclistas, pedestres, transeuntes e até usuários de outros veículos. Imaginar que em várias áreas da cidade as ciclofaixas estão pintadas em cima de calçadas… ”
BZS: Ciclovias e ciclofaixas em áreas onde não há ciclistas estimulam novos ciclistas, como a pesquisa da Ciclocidade mostrou: na ciclovia da Avenida Faria Lima passam 1941 pessoas por dia, onde antes não passava nenhum ciclista, isso é equivalente a 139 ciclistas por hora. Como disse Ray Liotta no filme Field of Dreams (“O Campo dos Sonhos”, 1989): “Construa e eles virão”.

JD: “Talvez nem ele saiba, porque como ele não frequenta a periferia, ele talvez não saiba que vários quilômetros de calçadas foram pintadas como ciclofaixas.”
BZS: A maioria das ciclofaixas feitas sobre calçadas só foi feita após a expansão das calçadas e possui toda sinalização de ciclofaixa E calçada ou de calçada compartilhada, como exige o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), vide fotos da Ponte das Bandeiras e Jardim Helena, por exemplo.

JD: “Mas o programa é bom, é uma boa iniciativa e será mantida.”
BZS: O candidato diz que vai manter o programa, mas não fala em expandí-lo. Caso ele se torne o candidato do PSDB devemos cobrá-lo sobre a expansão e novas metas para o Ciclovia SP.

El País Brasil: “Caso eleito, qual será sua primeira medida como prefeito?”
João Dória: “Voltar a velocidade normal nas marginais, para dar uma declaração clara do absurdo que foi feito, da falta de consciência e de planejamento. Isso vai ser uma demonstração clara de mudança e transformação. Nas marginais, as velocidades vão voltar ao que eram antes.”
Bike Zona Sul: Assim que ele fizer isso as colisões e mortes vão aumentar de novo. Um dos grandes feitos da última gestão foi a redução das velocidades máximas, o que evitou mortes e melhorou a fluidez do trânsito, as próprias Marginais mostram isso (vejam no link: http://g1.globo.com/…/lentidao-nas-marginais-caiu-10-com-re… ). Um exemplo prático de como a redução da velocidade máxima melhora na fluidez pode ser visto nesse vídeo do Departamento de Transportes de Washington (https://www.youtube.com/watch?v=8G7ViTTuwno ).

EP: “De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), após a implantação da medida as mortes no trânsito caíram 18,5% no primeiro semestre de 2015…”
JD: “A razão não foi essa. A queda ocorreu fundamentalmente devido à redução sensível do número de veículos transitando nas marginais. A volta da velocidade normal será uma demonstração clara da busca da eficiência de colocar São Paulo na dimensão de uma megametrópole.”
BZS: Várias pessoas usam esse argumento, mas ele não tem nenhuma base já que não existem dados precisos sobre a quantidade de veículos. Porém a lógica explica que dirigindo a uma velocidade menor o condutor tem mais tempo para raciocinar ao ver um problema como uma batida a sua frente, por isso as colisões e mortes diminuíram com a redução da velocidade máxima.

Veja a entrevista completa aqui.

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople #SãoPauloPrasPessoas

(Equipe Bike Zona Sul: Alex Gomes, Alexandre Liodoro, Carla Moraes, Diego Brea, Ianca Loureiro, Marivaldo Lopes, Paulo Alves e Thomas Wang)

A novela da ciclovia da Rua Madre Cabrini

Todos já ouvimos falar da novela que está se desenrolando na Rua Madre Cabrini…

Nessa rua, um colégio particular tem brigado na Justiça para que a Prefeitura retire a ciclovia que passa em frente a ele… A foto abaixo mostra como está a ciclovia atualmente:

1
Local onde a ciclovia é interrompida em frente ao Colégio Madre Cabrini. (Foto: Thomas Wang/BZS)

Como é possível ver na foto, a ciclovia acaba abruptamente e o ciclista dá de cara com carros parados ou estacionados. Sim, apesar de ser uma área de embarque ou desembarque, muitos motoristas estacionam ali e ficam esperando as crianças saírem das suas atividades. Isso é um problema pois obriga o ciclista que sobe a Rua Madre Cabrini a contornar os carros parados na contramão, se colocando em risco. Por se tratar de uma ladeira muitos carros/motos/ônibus descem com certa velocidade, podendo atingir os ciclistas que sobem a rua nesse trecho sem ciclovia. Com a ciclovia, o ciclista tinha sua faixa demarcada, podendo subir sem se colocar em risco. 

O Colégio Madre Cabrini que tem como missão “contribuir para a formação de cidadãos comprometidos com a promoção da vida” e é por isso que a CET tem implantado ciclovias, para proteger as pessoas mais frágeis no trânsito, que somos nós, os ciclistas.

6
Vans escolares podem entrar no colégio.

Em sua visão o Colégio Madre Cabrini promete “o desenvolvimento integral do ser humano”, porém se posiciona contra o desenvolvimento da cidade, preferindo atacar políticas públicas que beneficiam o bem coletivo para que possa usar uma área pública como se fosse particular. Se as vans escolares podem acessar a área interna do colégio para fazer o embarque/desembarque de estudantes, por que os carros não podem?

4
Na esquerda: carro estacionado na ciclovia, impedindo a circulação de pedestres e ciclistas. Na direita: carro estacionado em local proibido.

Como uma escola que tem como valores “Compaixão, Justiça, Solidariedade e Responsabilidade social e ambiental” pode ignorar o bem estar e a segurança de dezenas de ciclistas que passam por ali todos os dias? Sem contar as centenas de pedestres, inclusive alunos e funcionários do Madre Cabrini, que andam na ciclovia.

3
O mesmo carro da foto anterior, saindo da ciclovia quando viu eu me aproximar.

A escola alega que a ciclovia coloca “as crianças” em risco, desconsiderando o fato que são os carros que causam a maior parte dos atropelamentos. O que o Colégio Madre Cabrini devia reparar é que na realidade a ciclovia protege/protegia as pessoas, sejam elas crianças ou adultos. A Rua Madre Cabrini possui duas escolas e um cursinho nesse trecho, por onde circulam milhares de pedestres. Sim, são milhares, só o Poliedro tem cerca de 3 mil alunos, sendo que a grande maioria vai de Metrô.

Na foto abaixo, tirada no horário do almoço, perceba que a ciclovia está sendo usada pelas pessoas como se fosse parte da calçada. Justamente porque elas se sentem protegidas dos carros enquanto andam na ciclovia.

5
Pedestres utilizam a ciclovia já que a calçada não é suficiente.

Se a preocupação do Colégio Madre Cabrini realmente fosse a segurança das pessoas, ele não pediria a  retirada da ciclovia, ele pediria a ampliação das calçadas e a instalação de mais faixas de pedestres e mais lombadas.

Vamos demonstrar que queremos a ciclovia ali, demonstre seu apoio à ciclovia CLICANDO AQUI!

Leia mais sobre a Ciclovia da Rua Madre Cabrini nesse post do Vá de Bike.

 

 

Veja o mapa da infraestrutura cicloviária da cidade de São Paulo clicando aqui.

#BikeZonaSul #CicloviasSalvamVidas #VaiTerCiclovia

#PrioridadeParaOsPedestres #CidadesParaPessoas #CitiesForPeople

#SãoPauloPrasPessoas

(Equipe Bike Zona Sul: Thomas Wang)


Siga o Bike Zona Sul nas redes sociais para ficar por dentro das ações e eventos do coletivo:

 

19 de Agosto – O dia para refletir

De acordo com a Agência do Senado, anualmente o “Dia do Ciclista” deve ser celebrado no dia 19 de agosto. A data se deu após a morte de Pedro Davison, em 2006, atropelado por um automóvel no Eixo Rodoviário Sul (em Brasília) aos 25 anos de idade. O motorista que atropelou Pedro Davison dirigia alcoolizado e em alta velocidade.

Por esses motivos, a morte de Pedro deve ser refletida e não celebrada.

Em São Paulo, ciclistas e familiares estão de luto. Nos últimos dias, mortes envolvendo ciclistas e um pedestre, e atropelamentos por imprudência merecem respeito. O respeito pela vida, e uma reflexão sobre o comportamento humano ao ter domínio sobre qual for a máquina. Uma bicicleta, um carro, um ônibus, uma carreta, um skate ou patins, são veículos onde seu funcionamento depende de uma dominação. E que, infelizmente, o ser humano tão confiante de si mesmo não percebe e não está pronto para dominá-los. Hoje, a cena mais comum que vemos nas ruas é motoristas, motociclistas, pedestres e ciclistas guiando-os como se estivessem sentados no sofá assistindo TV.

Ciclistas: não devemos e não podemos levar para as ruas, ciclovias e ciclofaixas, os comportamentos do trânsito que nos fazem de vítimas. Da mesma maneira que exigimos respeito dos motoristas, devemos respeitar pedestres e demais ciclistas nas vias. Como também, devemos respeitar motoristas e motociclistas. Exigimos vias próprias, exigimos respeito, exigimos e nos impomos nas ruas como meios de transporte, então, que faça desse meio o melhor meio, para ser respeitado e saber respeitar. Ciclovias e ciclofaixas não são vias de competição, ciclovias e ciclofaixas são vias compartilhadas. Da mesma forma que você pode pedalar nas ruas, entre carros e motocicletas, os pedestres podem usar ciclovias e ciclofaixas para se locomover. Levando em consideração, também, a má manutenção das calçadas. Os pedestres por sua vez, também se sentem mais seguros caminhando pelas ciclovias e ciclofaixas da cidade. Aparentemente, as vias para ciclistas são mais acessíveis para os pedestres. Se você optou pela bicicleta, saiba também, que em pé e nas ruas existem vidas a serem respeitadas. Da mesma maneira que você pode, com cautela e por algum motivo de segurança, usar a calçada para se locomover, o pedestre também pode preferir usar as vias de bicicleta para caminhar. Sobre o semáforo, respeite-o como veículo, por mais que também seja inseguro para você. Salva sua vida, e de pedestres que estão atravessando. Existem lugares próprios para correr, as ruas não são velódromos. Por isso ciclistas, deixem de lado esse comportamento ciclo-carrocrata, prejudica a você e demais que usam as ruas da cidade.

Por todas essas palavras, que essa data em que lembramos Pedro (o ciclista atropelado em 2006), sejamos responsáveis nas ruas. Seja você ciclista, pedestre, motorista, motociclista, caminhoneiro ou perueiro (motorista de ônibus de pequeno porte). Somos e temos vida, esteja ela sendo movida por um motor ou pelas próprias pernas. Essa reflexão teve como base depoimentos e reflexões partindo da publicação de Ivson Miranda, em seu perfil social.

Parabéns ciclista, e que esse dia (não só nesse) nos leve a uma única reflexão: sejamos prudentes!

Equipe Bike Zona Sul